Como escrever um livro

Como escrever um livro

Como escrever um livroFácil. Encha duzentas páginas de bestagem. Não, não faça isso, que já tem bastante gente fazendo, acredite. Isso não é escrever livro.

Talvez eu não seja o professor adequado, mas posso dar umas dicas sobre como escrever um livro.

Em primeiro lugar, se você nunca escreveu nada, nem artigos, manuais, apostilas, nadica de nada, começar por um livro é uma verdadeira temeridade. E – quase com certeza – o caminho certo para o fracasso.

Se está apenas começando a escrever, vá devagar, pegue leve. Aprenda como escrever coisas mais simples primeiro. Leia muito. Siga o link anterior para saber mais sobre como começar a escrever.

Caso já tenha alguma experiência literária (veja só, chique no úrtimo…), precisa saber antes algumas coisas básicas sobre escrever um livro.

eBook Como escrever um livro  - capaeBook Como escrever um livro – amostra

Leia os primeiros capítulos do eBook Como escrever um livro, de Bruno Grünig, inteiramente grátis. Basta clicar no link abaixo e fazer o download imediato de sua amostra em formato PDF!

Icon of Como escrever um livro - amostra Como escrever um livro - amostra (465.4 KiB)

ATENÇÃO: ESTE NÃO É UM ANÚNCIO DE TERCEIROS. ESTE EBOOK FOI ESCRITO E É PUBLICADO POR BRUNO GRÜNIG, PROPRIETÁRIO DESTE WEBSITE. NÃO DEIXE DE CONHECER O EBOOK… A AMOSTRA É INTEIRAMENTE GRÁTIS!

Como escrever um livro

Como não tenho a mínima idéia sobre o que você vai escrever, vou partir do princípio que seja um livro de ficção. Mas as dicas servem para outros tipos de livros também.

  • Passo 1 – Defina exatamente a história do livro. Nada de começar a escrever para ver “que bicho vai dar”. Que história você quer contar? Quem são seus personagens? O que aconteceu com eles?
  • Passo 2 – Faça um resumo da história toda. Como é que começa, o que acontece durante e o que acontece no final. Sim, você precisa saber o que acontece no final. Se não souber isto, você não tem um livro, sua história está capenga. A surpresa é só para o leitor, não para você.
  • Passo 3 – Baseado em seu resumo, reescreva a história, colocando agora mais detalhes. Nomes, lugares, acontecimentos, descrições. Agora você já tem uma idéia melhor sobre o rumo da sua história.
  • Passo 4 – Leia com atenção o resumo anterior. O que está faltando? O que o seu personagem precisa fazer mais? É necessário incluir mais personagens? Lugares? Acontecimentos? Refaça o resumo.
  • Passo 5 – Se o resumo está lhe dando uma boa idéia dos acontecimentos, personagens e locais, é hora de começar a escrever. Ah, sim… você pensou que já estava escrevendo… não. Agora é que a onça vai beber água. O resumo não é para o leitor e sim para você. Mas não o atire na lata do lixo. Ele será útil mais tarde, para vender seu livro. você quer vender o livro, pois não?
  • Passo 6 – Muito bem, hora de escrever pra valer. Em primeiro lugar, nada de começar com: “era um vez..”, ou “nos idos de…”. Nada mais amador e chato que isso. Vá direto ao assunto. Por exemplo: “José consultou seu relógio, olhou em volta mais uma vez e dirigiu-se rapidamente para a porta de saída.”. Frases deste tipo prendem a atenção do leitor. Ele vai querer saber onde José estava, porque saiu rápido. E – é claro – quem é José.
  • Passo 7 – Antes de começar, você deve definir quem está contando a história. No exemplo da introdução acima, alguém está contando a história de outra pessoa. A história é contada na terceira pessoa. Neste caso, quem conta a história é quem sabe tudo. O que aconteceu, o que está acontecendo e o que vai acontecer. Outra maneira, é colocar-se no lugar do personagem e contar a história na primeira pessoa. No caso, esta introdução ficaria mais ou menos assim: “Consultei o relógio, olhei mais uma vez em volta e caminhei rapidamente em direção à porta de saída.”. Via de regra esta última maneira de escrever o livro é mais fácil. Entretanto, o personagem não sabe tudo, ele vai vivendo a história.

Como escrever “cenas” em um livro

Um livro geralmente é dividido em capítulos. Mas não é escrito assim. Não é usual – principalmente em livros de ficção – definir primeiro os capítulos e depois escrever. A história simplesmente vai se desenvolvendo. Depois, são definidos os capítulos, conforme os acontecimentos, épocas, etc.

As cenas são como elos de uma corrente. Elas são resposáveis pela importante tarefa de prender a atenção do leitor. Se você conta a história de uma só tacada, há boas chances de que se torne monótona.

Se você ler um livro de ficção de um autor americano, prestando muita atenção, poderá perceber que o livro todo é composto de cenas. Terminou uma, começa a outra. É desta maneira que o escritor faz com que você simplesmente sinta vontade de “devorar” o livro.

Portanto, antes de aprender “como escrever um livro”, você deve aprender como escrever cenas. Uma cena é composta basicamente de duas partes. Cena e sequela, que são divididas da seguinte maneira:

Cena

  • Objetivo
  • Conflito
  • Desastre

Sequela

  • Reação
  • Dilema
  • Decisão

Tomaria muito tempo e espaço explicar detalhadamente esta maçaroca toda. Mas creio que é possível ter uma idéia geral somente com os nomes dos componentes da cena:

  • Objetivo – o que vai acontecer na cena
  • Conflito – o desenrolar da cena
  • Desastre – o final da cena (chamado de desastre porque o herói sempre se dá mal, vencendo – é claro – só no final)

 

  • Reação – o que acontece ao personagem depois do desastre
  • Dilema  – onde o personagem fica em dúvida sobre o que fazer
  • Decisão – quando o personagem se recompõe e parte novamente para a ação

 

Repare nos filmes de ficção, ação, policiais. Não é bem assim? Pois sua história pode – e deve – ser escrita desta maneira. O círculo cena-sequela se repete indefinidamente, até que, no final, você dá a vitória ao personagem. Ou não. Você pode matar o pobre e deixar seus leitores “um pouco” decepcionados.

Estes dois conceitos (resumo e cena) são relatados com mais detalhes no site de Randy Ingermanson. Na verdade, o primeiro, que chamo de resumo, é chamado por ele de snowflake method (método do floco de neve). Se você lê inglês, vale a pena conferir.

De qualquer maneira, pretendo em breve aprofundar-me no assunto. Um artigo só não é suficiente. Nem para isso, nem tampouco para explicar em detalhes como escrever um livro.

Software para escrever livros

Há alguns anos comecei a utilizar um software chamado yWriter. É grátis e ajuda bastante a organizar um livro. O programa divide seu livro em capítulos e cenas, com recursos para armazenar dados de personagens, locais, etc.

É muito mais simples escrever um livro usando este software. Porque a certa altura, você certamente precisará consultar um dado anterior e, se estiver tudo num processador como o word, você pode se embananar. Siga o link  yWriter e confira. Também é em inglês, mas tem até tradução para português.

Este programa contraria um pouco o que eu disse no princípio, porque divide o livro em capítulos antes que seja escrito. Entretanto, você não precisa levar tudo a ferro e fogo. Como o programa permite mover cenas e consultar rapidamente o que se escreveu anteriormente, não vejo problema algum. Basta usar com discernimento e lógica.

Por outro lado, se você for escrever um livro técnico, por exemplo, a divisão em capítulos e cenas é perfeita. Não deixe de experimentar. Além do mais, como já disse, o yWriter é grátis. Mas o autor aceita doações. Nada mais justo.

 

eBook Como escrever um livro  - capaeBook Como escrever um livro – amostra

Leia os primeiros capítulos do eBook Como escrever um livro, de Bruno Grünig, inteiramente grátis. Basta clicar no link abaixo e fazer o download imediato de sua amostra em formato PDF!

Icon of Como escrever um livro - amostra Como escrever um livro - amostra (465.4 KiB)

ATENÇÃO: ESTE NÃO É UM ANÚNCIO DE TERCEIROS. ESTE EBOOK FOI ESCRITO E É PUBLICADO POR BRUNO GRÜNIG, PROPRIETÁRIO DESTE WEBSITE. NÃO DEIXE DE CONHECER O EBOOK… A AMOSTRA É INTEIRAMENTE GRÁTIS!

About the Author brunogrunig

600 comments
vanicléia says setembro 13, 2012

Ola Bruno Grunig,me chamo Vanicléia e adorei suas dicas de como fazer um livro adorei mesmo,fica super simples de fazer seguindo os passos,mas fiquei com dúvidas sobre o yWriter,já baixei ele mas não consigo usar tá todo em inglês, como faço pra passar por português?Não intendo nada do que está escrito e como usar ele,me explique como?Vi que tem um comentário que vc diz que é só usar o painel de controle,ja fiz isso e não funcionou! Me ajude!!!! Obrigado.

    brunogrunig says setembro 14, 2012

    Olá Vanicléia. Olhe lá em cima na tab “localise”. Clique nesta tab e escolha o idioma no9 menú. Abraço.

André Roberto Casarotte says setembro 13, 2012

Olá notei que não respondeu a meu comentário/pergunta e eu gostaria não eu adoraria saber porque.Então você poderia me dizer porque ainda não o respondeu?

    brunogrunig says setembro 13, 2012

    Creio que me escapou. Já respondi, confira.

Janessa says setembro 12, 2012

Nossa amei as dicas, mas se não fosse pedir muito, eu gostaria apenas de um pouco mais de auxilio no quesito diálogos, eu sei como se faz, só que eu me atrapalho um pouco com receio de eles não ficarem repetitivos, com respeito a reações, sentimentos…
se você puder me ajudar eu ficaria muito grata.
valeu mesmo.
Janessa

    brunogrunig says setembro 12, 2012

    Olá Janessa. Procure ler mais e prestar atenção a estas partes dos livros que ler. Via de regra, colocar muitos diálogos no livro pode confundir um pouco. Procure sempre explicar, entre os diálogos, o que for necessário. Um abraço.

André Roberto Casarotte says setembro 10, 2012

Eu adoraria saber se tem algum problema inventar objetos? Ou usar objetos de outros escritores como J.K.Rowling? Para usar de outro escritor devo pedir direitos autorais?

    brunogrunig says setembro 13, 2012

    Olá André. Usar objetos… que objetos? Coisas que aparecem nos livros de outros? Se você for mais específico seria mais fácil ajudar. Inventar objetos… você pode, é claro. Especifique melhor para que eu possa ajudar. Um abraço.

André Roberto Casarotte says setembro 8, 2012

Muito obrigado agora minha história tomou um caminho melhor.

André Roberto Casarotte says setembro 5, 2012

Você poderia me ajudar a dar nomes aos personagens de modo que não fique estranho.

    brunogrunig says setembro 5, 2012

    Olá André. Fica meio difícil… Eu nem conheço a história, onde se passa nem nada. Procure dar nomes condizentes à região onde se passa a história. Não entendi o que você quer dizer com estranhos. Talvez isso mesmo, a região… por exemplo: um sujeito que nasceu na Austrália dificilmente iria chamar-se Pedro. Peter seria melhor. Uma das vantagens do Ywriter é esta. Mesmo que você escrever duzentas páginas chamando o personagem de Pedro, depois pode mudar facilmente para Peter ou outro nome qualquer, sem precisar ir a cada lugar em que o nome aparece. Portanto, preocupe-se mais em contar uma boa história do que com os nomes. Eu faria isso. Um grande abraço.

Davi says setembro 4, 2012

Obrigado pelas dicas, sempre voltou aqui e releio atentamente, estou escrevendo um livro em dupla. Isso é ruim?

    brunogrunig says setembro 4, 2012

    Olá Davi. Ruim? Creio que não. Se os dois se entrosam bem, sem problema. Só que na hora de dividir a grana das vendas… só metade procê, cara. Brincadeira. Vá em frente e espero que a grana seja tanta que voces resolvam até dividir com o Brunão (eu…). Abraço.

Davi - O Livro dos Livros says setembro 3, 2012

Escrever é praticar. Assim como não se sobe uma escada pelo último degrau, não se começa de cara logo escrevendo um livro. Excelentes dicas! Sucesso!

    brunogrunig says setembro 3, 2012

    Valeu Davi. É isso mesmo. Mas tem muita gente (muita mesmo) que acha que pode pular todos os degraus. Dar o “pulo do gato”. Se fosse assim… seria fácil. Um abraço.

camila says setembro 2, 2012

to pensando em fazer uma faculdade para exercer a profissão de editora, há uma faculdade especifica para ser editora?

camila says setembro 2, 2012

muito obrigado pela a explicação Bruno

camila says setembro 1, 2012

os suas dicas são muito boas
mais posso começar com uma historia?
*com um ERA UMA VEZ?
*NO INICIO
*A MUITO TEMPO ATRAS
QUAL É A FORMA MAIS CORRETA QUE DE INICIA A HISTORIA?

    brunogrunig says setembro 1, 2012

    Olá Camila. Não “forma correta” para iniciar uma história. Mas você deve evitar estes clichês, como os três que você mencionou. Não é preciso dizer que é o começo. O leitor sabe. Seja lá por onde você começar, o leitor sabe que tudo vai ser explicado devidamente mais adiante. Portanto, você pode começar por onde desejar, contanto que conduza o leitor satisfatoriamente ao desenrolar da história. Um grande abraço.

andre says agosto 30, 2012

o nome dos personagens aparecem naturalmente ou posso colocar o nome que vier dos personagens?Obrigado.

Gelson júlio says agosto 28, 2012

Quero escrever n livros mas a minha ideia recai em factos reais como posso empregar as personagens…

    brunogrunig says agosto 28, 2012

    Olá Gelson. Você pode fazer um livro de ficção baseado em fatos reais. Mas deve tomar cuidado para não expor vidas alheias e não arrumar inimizades. Um abraço.

Daniel says agosto 28, 2012

Pretendo escrever um monólogo baseado em uma história real vivida por mim mesmo, nesse caso já tenho os personagens, as cenas e os pensamentos do personagem principal !!

O problema é que num caso desses eu vou encontrar dificuldade pra estruturar capítulos e não poderei seguir o esquema “Cena e sequela”, afinal, algumas cenas não tem sequela e culminam com pensamentos confusos de um personagem à beira da loucura.

Como proceder ??

    brunogrunig says agosto 28, 2012

    Olá Daniel. Quer me parecer que “os pensamentos confusos” já são a sequela. Você não precisa ser tão rígido quanto à estrutura do livro, contanto que sua história tenha fluencia e coerencia. E a divisão em capítulos não é rígida também. Pode ser feita até mesmo no final. O importante é prender a atenção do leitor, criando, a cada parte do livro, algo que desperte a vontade de ler a próxima parte. um abraço.

andre says agosto 27, 2012

como colocar um nome ficcio de uma cidade ou estado no livro que estou tentando escrever?

    brunogrunig says agosto 27, 2012

    Olá André. Basta inventar o nome e pronto. Um abraço.

Karina says agosto 25, 2012

Olá Bruno, meu nome é Karina tenho 12 anos de idade quero começar a fazer meu primeiro livro de ficçao , mas não sei por onde começar séra que voê podeiria me indicar masi sites ?
beijos
Karina

André Roberto Casarotte says agosto 25, 2012

Olá. Eu já comecei a encapar o meu livro daqui a pouco eu vou ter um para poder fazer mais.

Thalita says agosto 19, 2012

Olá novamente Bruno!
Depois que postei meu comentário resolvi passar o olho pelos comentários deixados anteriormente e senti necessidade de me apresentar melhor. Muita folga da minha parte, chegar pedindo ajuda sem nem ao menos me apresentar rs
Tenho 22 anos, sou recém formada em administração com enfase em marketing. A maior coisa que já escrevi (com colaboração dos meus colegas de grupo) foi o TCC. Gosto de escrever, meus e mails geralmente são longos e cheios de detalhes, geralmente não consigo ser “curta e grossa” com as letras, mas por outro lado, não escrevo muito. Nunca tive blog ou qualquer outra coisa semelhante para descarregar as ideias. Comecei a gostar de ler lá pelos meus 12 ou 13 anos, com a série Harry Potter, até então odiava os livros rebuscados que a escola obrigada a ver. E acredito que por influencia do bruxinho adoro ler romances e ficção estrangeira, principalmente assuntos ligados à fantasia, como Stephen King, George R. R. Martin, Nora Roberts e Marian Keys. Não sei se são leituras indicadas, mas se eu tivesse ficado apenas nos livros rebuscados, semelhantes aos dados pela escola, hoje eu seria uma leitora medíocre.
Foi lá por essa época também que comecei a ter “histórias na cabeça”. Elas simplesmente vem e vão, e pelo o que noto, tem relação com meu estado quase sempre ansioso. Sim, tenho pequenos problemas com ansiedade. Mais ansiedade, mais histórias. No começo, eram fragmentos de histórias, mas hoje noto que elas amadureceram. Por mais que as vezes comecem pela metade, com um pouco de esforço consigo lhes dar um começo, meio e fim. Foi então que resolvi escrever, para descarregar isso e dar um alivio para a mente. E isso tem se mostrado eficaz, sinto que é como fazer musculação para o cérebro, em alguns momentos minha cabeça parece exausta.
Na minha cabeça, os personagens principais são sempre os narradores, por conta disso pensei em fazer o livro em primeira pessoa, mas a maioria dos livros que tenho são em terceira, e no momento não consigo me lembrar de algum em primeira para pegar e ter alguma luz. Nessa historia do comentário acima, os dois personagens principais, Ruby e Jonathan, foram separados, então em capítulos intercalados cada um contaria um pouco da sua vida naquele momento, até que então no fim eles se juntam. Ou seja, em um capitulo Ruby narra, no outro, Jonathan. Lembro-me apenas das Cronicas de Gelo e Fogo divididas por pontos de vista dos personagens, mas nele a história é em terceira pessoa. Estou sendo chata em insistir na primeira pessoa?
Bom, acho que é mais ou menos isso… Você deve ter um zilhão de coisas para fazer e eu fico aqui “buzinando na sua orelha” rs É que realmente gostei do seu blog, o conteúdo é muito banaca e a sua disposição para ajudar é inspiradora.
Obrigada por tudo!
Um forte abraço,
Thalita.

    brunogrunig says agosto 19, 2012

    Olá Thalita. Não há problema nenhum em narrar na primeira pessoa. Você apenas precisa certificar-se de que o leitor saiba quem está narrando. Quando você troca de narrador, o que importa não é “quem” está narrando, ou se está na primeira ou terceira pessoa. O que importa é que o leitor compreenda a história. Um grande abraço.

Thalita says agosto 19, 2012

Olá Bruno!

Obrigada pelas sua dicas! Já havia começado a escrever algo quando vi suas dicas e resolvi voltar um pouquinho e seguir seus passos.

Estou com uma dificuldade bastante grande em relação ao tipo de narrativa, se em primeira ou terceira pessoa. O que escrevi está em primeira, e acredito que essa seria a forma mais apropriada para a minha história, já que ela é contada do ponto de vista do personagem principal e minha ideia é mostrar o que ele sente. Mas em alguns momentos parece que estou misturando com a terceira pessoa, principalmente nas falas iniciadas com travessão, como por exemplo essa que me fez notar o problema:
– O que aconteceu contigo? – Murmurei tristemente.

Esse seria mesmo um erro, de mistura de primeira e terceira pessoa? Procurei na internet algum exemplo mas não encontrei.

Obrigada!

    brunogrunig says agosto 19, 2012

    Olá Thalita. O exemplo que você deu está na primeira pessoa. Você pode mudar para uma pessoa onisciente (que sabe tudo), mas não na mesma cena, porque fica confuso. Um abraço.

MARIA DA LUZ says agosto 16, 2012

Olá Bruno. Como ´e bom deparar com coisas boas nas telas do nosso computador (estou me referindo aos seu artigo).
Valeu mesmo.
agora vamos ao pedido
diz ai quero começar a escrever uma autobiografia, oque preciso é de uma grande dica por onde começar (me refiro os paços todo: oque vem primeiro dedicatória, agradecimento, notória, prefácio,introdução?
Se não for pedir demais, me mande estas informações no meu e-mail.
Ficarei muito grata.
Desculpa ai a ignorância.
Aguardo
Maria

    brunogrunig says agosto 18, 2012

    Olá Maria. Todas estas coisas que você mencionou… vêm por último. Primeiro você precisa fazer suas anotações, reunir e organizar o material par ao livro em si. Este é o primeiro passo. O restante… basta ver como são feitos livros deste tipo e fazer o mesmo. Um abraço.

Gabriel says agosto 15, 2012

adorei o seu artigo!!!! era oque eu precisava!!OBRIGADO!!!!

    brunogrunig says agosto 18, 2012

    Valeu, Gabriel. Um abraço.

Sheila says agosto 14, 2012

Eu gostei muito de suas explicações, fui na Bienal do livro hoje e fiquei pensando como poderia começar a escrever um livro. Apesar que o começo sempre é mais complicado, mas não é impossível.

Rafael says agosto 14, 2012

Muito bom. Tenho como projeto p esse ano terminar o projeto de livro q venho adiando há séculos.
Tudo têm me ajudado muito, acho q encontrei mais um canto p aprender e aprender mais.

MTO BOM!
PARABENS

    brunogrunig says agosto 15, 2012

    É isso aí, Rafael. Sempre aprendendo… abraço.

pedro noberto says agosto 14, 2012

Com certeza, boas orientações, Bruno!
Agradeço a oportunidade de ler o artigo.

    brunogrunig says agosto 14, 2012

    Valeu, Pedro. Um abraço.

Paulo says agosto 13, 2012

Oi Bruno, agradeço muito pelas dicas, tenho 20 anos de idade e quero escrever um livro e não uma porcaria e não tinha ideia de como fazer isso, mas agora graças a você tenho um ponto de partida, Obrigado, quando sair meu livro te mando um exemplar

    brunogrunig says agosto 14, 2012

    Valeu Paulo. Fico no aguardo. Um abraço.

Kevin says agosto 12, 2012

Olá Bruno, só gostaria apenas de fazer uma pequena pergunta.
Já comecei a desenvolver a minha estória, mas não sei se devo separar os capítulos logo no resumo. Devo ou não devo?
Muito Obrigado.

Carol Murta says agosto 12, 2012

Bruno, aqui estou eu mais uma vez te pedindo ajuda pra escrever meu livro (huashuas). Desisti de escrever memórias e fui direto pra ficção, o problema da minha história é que fica muito pequena, com capítulos de apenas 1 folha e meia, e isso me incomoda, mas eu não consigo dividir direito os capítulos, gostaria que você me desse dicas de como ampliar minha história e não tornar ela enjoativa ou repetitiva.

marcooliveira says agosto 12, 2012

Mas por exemplo, o estilo de Saramago ou de Somerset Maugham, Dostoiévesky, sei lá, de tantos autores clássicos, pode ser tido como rebuscado?

marcooliveira says agosto 11, 2012

Como posso saber se utilizo ou não um registo rebuscado? É um tanto complicado para mim entender até que ponto o leitor o achará ou não, confesso.

    brunogrunig says agosto 12, 2012

    Olá Marco. Você acaba de usar aqui. “registro rebuscado”. Procure usar a linguagem que você usa ao falar. Mas, é claro, sem as imperfeições do “jeito de falar”. Um abraço.

lucia says agosto 9, 2012

Olá, Bruno, suas dicas me ajudam bastante. Gosto muito de escrever e já a algum tempo, persiste-me uma grande vontade de escrever um livro, mas são tantas dúvidas que acabo acalentando esse sonho e engaveto-o mas na verdade nunca desisti de um dia poder publicar. Gosto muito de romance e escrevi vários.Como devo proceder ao chegar numa editora, por quem devo procurar, o que devo fazer para chegar até uma?Por favor me ajude.

Gi says agosto 8, 2012

Estava totalmente perdida sem saber por onde começar Mas suas Dicas me ajudaram muito, Obrigada pelas dicas elas são muito boas!
Beijos.

    brunogrunig says agosto 9, 2012

    Valeu, Gi… um grande abraço.

jose eraldo says agosto 6, 2012

Bianca,

Achei muito boa a sua estória, se bem contada com certeza rende um ótimo livro. Voçe já leu algum livro da Zibia Gaspareto?? Quando li o seu resumo logo me lembrei das estória dela, acho que você pode ler algumas obras dela que irá te ajudar a fazer o seu. Lembre-se a matéria prima do escritor é a leitura.
Dica: “Ninguem é de Ninguem” e “Advogado de Deus”
Leia e me diga, ok!
Abraço!!

    Bianca says agosto 6, 2012

    Muito obrigada mesmo! Eu to fazendo o possivel para conseguir escrever um bom livro sobre está história, só que como é a primeira vez que me arrisco nessa aventura de escrever um livro, vamos ver no que vai dar né. Vou tentar baixar esses livros que me recomendou. Obrigada!

      José Eraldo says agosto 7, 2012

      Você consegue sim, porém não tenha pressa em acabar, em concluir a obra só para dizer que escreveu um livro. Faça com calma, leia muitos livros do mesmo tema, como eu te disse os livros da Zibia apesar de serem intitulados como livros espiritas, tem muito a ver com a sua estória. Tratam da casualidade como destino certo, traçado.
      É só arregaçar as mangas e começar!

      abraço!

Bianca says agosto 6, 2012

Comecei a escrever um livro e resumi mais ou menos assim :
Bernardo, um jovem bonito, brincalhão e cheio de qualidades, não muito preocupado em encontrar um amor para sua vida no momento, tem como objetivo estudar para garantir um futuro confortável, porém vive sonhando com uma linda mulher na qual ele é completamente apaixonado, mas ele nunca consegue identifica-la saber de onde ela é, qual o seu nome e acha que aquilo tudo é loucura de sua cabeça. Ele mora no Espirito Santo e divide um pequeno apartamento com seus dois amigos Bruno e Augusto. Eles conseguem uma bolsa de estudos no Rio de Janeiro aonde Marina uma linda jovem do Rio Grande do Sul, delicada, generosa e um pouco atrapalhada sonha em encontrar o grande amor da sua vida também ganha essa mesma bolsa no Rio de Janeiro para realizar seu sonho de estudar medicina, junto também de suas duas melhores amigas Débora e Roberta. Na ida para o Rio de Janeiro o destino desses seis jovens irão se cruzar quando o carro em que está Roberta, Débora e Marina capota na estrada e Bruno, Augusto e Bernardo ajudam a salva-las.
É apartir desse momento que o destino começa agir, com a surpresa de Bernardo que ao tirar Marina desacordada de dentro do carro fica completamente sem chão ao perceber que ela é a jovem de seu sonho. Porém Marina fica em coma no hospital com poucas chances de vida e ela entre a vida e a morte passa a ter sonhos com um jovem que á salva durante um acidente e que é o tão sonhado grande amor de sua vida. Bernardo fica sem saber o que fazer ao perceber que esta perdidamente apaixonado por Marina que está entre a vida e a morte. Enquanto Marina estiver desacordada muitas coisas irão acontecer e quando ela acordar nada mais será como antes.

E eu tenho uma pergunta.
Para escrever um livro, pode ser usando uma linguagem mais informal ou tenho que seguir a forma padrão ?

    brunogrunig says agosto 6, 2012

    Olá Bianca. Linguagem mais simples possível. Nada de formal. Lembre-se que você está contando uma história. E contadores de histórias não usam termos rebuscados, linguajar difícil. Você não perguntou… mas eu vou dizer mesmo assim: gostei do resumo da sua história. Creio que pode dar um bom livro. Um abraço.

      Bianca says agosto 6, 2012

      Muito obrigada pela dica e pelo incentivo também.
      Sua página está de parabéns!

Vania says agosto 5, 2012

É MTO LOUCO… Em mim, há uma coisa que transborda por dentro. Escrever é uma necessidade vital! Mas me pertuba, me agoniza. Me da uma sensação confortente que nenhuma outra atividade trás.

rsrsrs
Bruno, aqui eu, em um domingo único, passeando pela net te encontreiii. Obrigada pelas valiosas dicas e por favor aguarde Aurora Boreal. bjss

    brunogrunig says agosto 6, 2012

    Olá Vania. Já que sente isso, mãos à obra! Escreva. Um abraço.

Joana D'Arc Hudinik says agosto 2, 2012

OLA TUDO BEM?GOSTARIA DE ESCREVER UM LIVRO SOBRE A MINHA VIDA.O CONTEUDO É SOBRE MINHA VIDA EM UMA DETERMINADA EPOCA,COMO FAÇO PARA COMEÇAR?
ABRAÇOS E AGUARDO SUA RESPOSTA

    brunogrunig says agosto 2, 2012

    Olá Joana. Creio que você deveria criar um tema principal, um assunto central. Para que tudo gire em torno dele. Aí, vá fazendo anotações de cada tópico que você quer colocar no livro. Ajunte depois estes tópicos de acôrdo com o seu tema. Um abraço.

Anabela Bento says agosto 1, 2012

Óla gostava de lhe fazer uma pergunta e gostava que fosse sincero já algum tempo que penso em escrever um livro com a minha auto-biografia desde de infâcia até agora adulta o que eu queria era que pessoas como eu não vivessem na angústia que eu vivo desde que descobri que tenho medo de viver nunca fui inteiramente feliz e gostava de escrever a minha historia destalhada me queria saber a sua opinião obrigado pela atenção.

    brunogrunig says agosto 1, 2012

    Olá Anabela. Talvez escrevendo livro você adquira gosto em viver. Escreva sim, dedique-se ao livro e verá que um pequeno objetivo já faz a vida valer a pena. Um abraço.

RAYANE santos rios says agosto 1, 2012

eu ja fis 2456 livros
eu so tenho 7 anos

    brunogrunig says agosto 1, 2012

    Rayane, Rayanne… sei não… acho que foram só 2455… de umas 500 páginas cada um… Tá vendo? Você já sabe inventar histórias. Pode escrever um livro assim: “A menina que escreveu mais de dois mil livros…”. Um abraço pra você.

Kênia says julho 31, 2012

Olá,

Você poderia me explicar como faço para baixar a versão em português do ywriter, todos os sites que tentei baixar o arquivo só salva em inglês, não sei por que?
Obrigada!!
Abs.

    brunogrunig says julho 31, 2012

    Olá Kênia. Não há versão em português. Você precisa baixar em ingles mesmo. Mas no próprio programa você pode mudar o idioma da interface, ou seja, os comandos ficam em português. Um abraço.

ricardolima says julho 31, 2012

Considera viável começar uma história e deixar as personagens seguir o seu próprio curso à medida que se vai escrevendo, bem como as circunstâncias, ou é preferível delinear previamente tudo? Obrigado.

    brunogrunig says julho 31, 2012

    Olá Ricardo. Algumas coisas podem ser adaptadas no meio do caminho. Mas você precisa saber o final da história. Um abraço.

Aldo de Paula says julho 30, 2012

pretendo escrever um livro historia do personagem ze da lavoura, infância adolescente e meia idade e aposentadoria.

    brunogrunig says julho 31, 2012

    Olá Aldo. Parece legal… vá em frente, desejo-lhe sucesso. Um abraço.

    jose eraldo says agosto 6, 2012

    Desculpe Aldo,
    Você esta falando sério??

Rafael says julho 30, 2012

Obrigado pelas dicas, são muito boas, tenho 18 ano e quero muito escrever um livro, mas qual é o melhor gênero para escrever?

Valeu!

    brunogrunig says julho 30, 2012

    Olá Rafael. É difícil dizer qual o melhor gênero. Melhor você quer dizer “que vende mais”, certo? Isto você pode saber consultando as listas de mais vendidos das livrarias. Mas procure sempre escrever algo que tenha a ver com você. Não queira escrever “só porque vende mais”. Um abraço.

Beatriz says julho 28, 2012

eu tenho só 14 anos mais quero muito escrever um livro essas dicas são ótimas obrigado!!

    brunogrunig says julho 28, 2012

    Olá Beatriz. Que beleza… você tem todo o tempo do mundo para aprender e fazer coisas grandes. Siga em frente. Um abraço.

Stéfani Caroline says julho 26, 2012

Adorei suas dicas, foram simples e bem úteis..tenho 18 anos e quero começar a escrever meu primeiro livro más não tinha idéia de como..Estas dicas abriram minha mente!!

    brunogrunig says julho 27, 2012

    Valeu, Stéfani. Mãos à obra. Um abraço.

vini1234567890 says julho 23, 2012

nossa estava ficando confuso com o word muito obrigado pelas dicas.

    brunogrunig says julho 26, 2012

    Valeu Vini, espero que agora vá em frente. Abraço.

Kevin says julho 21, 2012

Post excelente!!
Muito obrigado mesmo amigo. Esses dias tentei começar a escrever um livro no word, mas meus nervos ficaram à flor da pele.
gora achei um excelente programa e em breve escreverei.

Mais uma vez obrigado!!

    brunogrunig says julho 22, 2012

    Olá Kevin. Valeu… espero que consiga agora. Um abraço.

geedes says julho 21, 2012

Olá bruno, você acha uma boa ideia fazer uma estória, para cada personagem do livro, falando sobre a vida dele, antes de começar o livro ?

Andrei Trentini says julho 21, 2012

Olá Bruno!

O que acha das agências literárias? São um bom caminho para a publicação?

Outra coisa: muitas editoras e agências pedem exclusividade (já li no site de duas delas perguntando ao autor se já tinha submetido a alguma outra). Não posso submeter a uma de cada vez, dado que a resposta demora muito. Qual solução você daria a isto?

Obrigado e um abraço,

Andrei

    brunogrunig says julho 21, 2012

    Olá Andrei. Estes dias andei pesquisando aqui e ali. E tenho algumas coisas importantes a dizer sobre publicação de livros. Especificamente sobre editoras e “editoras”. Vou escrever sobre isso em breve. Mas se quiser adiantar seu lado, siga este link: http://www.escrevaseulivro.com.br/escreva/ . O site tem boas dicas. Um abraço.

Vinicius A. says julho 18, 2012

Você saberia dizer como é processo de registrar um livro na biblioteca nacional? Se é um processo dificil, se tem que pagar alguma taxa…

    brunogrunig says julho 19, 2012

    Olá Vinicius. O processo é simples, mas não pode ser feito online. Você precisa preencher os formulários e enviar pelo correio, juntamente com o livro. Siga este link http://www.bn.br/portal/?nu_pagina=25 do escritório de direitos autorais. Lá você encontra todas as instruções necessárias. Há uma taxa a pagar sim, mas é bem baixa. Antes de registrar um livro é necessário cadastrar-se como autor. Um abraço.

Vinicius A. says julho 18, 2012

Dicas realmente muito boas. Ajudam bastante!
Mas, eu queria uma opinião sua.
Você acha que um livro de ficção escrito por um escritor brasileiro faria um sucesso igual aos de ficção internacional?

    brunogrunig says julho 18, 2012

    Olá Vinicius. Precisaria ser algo muito bom mesmo. Como aqueles videos “virais”. E o autor deveria escrever algo muito original e focado num público grande, e assim por diante. É bem difícil, creio eu. Um abraço.

camila says julho 17, 2012

e que eu nao conheço nem uma editora sera que vc me ajuda

    brunogrunig says julho 17, 2012

    Olá Camila. Dentro em breve vou publicar um artigo sobre isso. Acompanhe o blog e terá oportunidade de acabar com as dúvidas. Um abraço.

camila says julho 17, 2012

camila muito obrigada
vc me ajudou muito
mais sera que vc tem o nome de uma editora para me indicar

camila says julho 17, 2012

ola
gostei muito da dica …
mais como faço para publicar depois o livro ?

    brunogrunig says julho 17, 2012

    Olá Camila. Já existem algumas respostas para a sua pergunta nos comentários. Mas saiba que é bastante difícil conseguir que um editora publique seu livro. Mas existem outras opções, como publicar através de editoras em que você assume as despesas e o risco de vender o livro. Outra opção é o Ebook. Um grande abraço.

nome says julho 16, 2012

isso me ajudou muito eu consigue fazer so um pedaçode um livro o mome e ”o amor nunca a acaba!!!

    brunogrunig says julho 16, 2012

    Valeu… grande abraço.

André Roberto Casarotte says julho 14, 2012

Obrigado suas dicas me ajudaram muito, mas ainda tenho uma simples pergunta: Qual tipo de livro é melhor: com desenhos ou sem desenhos?

joana nougueira da siuva says julho 14, 2012

isso não me ajudou em nada,vocÊ não é professor,emtãopor que fica enventando coisas,mostre sua verdadeira indentidade.e eu tenho 10 anos para todos suas curiosidades.seu otario

    brunogrunig says julho 14, 2012

    Olá Joana mal educada. Em nenhum lugar aqui está escrito que sou seu professor. Que não é nem o que você precisa. O que você está precisando é ser educada. E provavelmente um psicanalista para examinar esta mente perturbada. Além do mais ninguém perguntou a sua idade. Um abraço.

    jose eraldo says agosto 6, 2012

    Pequena Joana,

    Idependente da qualificação ou profissão do Sr Bruno, sem duvida o que irá te ajudar muito é a leitura, muita leitura, coisa que pelo visto você não faz pois ainda nem domina adequadamente a escrita.
    Mas a leitura vai ajudá-la a aperfeiçoar a grafia e de quebra pode ser que tambem te ajude a ter mais educação.
    Diverir em idéias é normal e saudável mas faltar com a educação é inaceitável.
    O respeito vem sempre em primeiro lugar! Os seus pais não te ensinaram isto??

      brunogrunig says agosto 6, 2012

      Olá José. Rererere… tem uma molecada na internet que é de lascar. Eu não fico ofendido não. Só tento mostrar-lhes que não podem fazer o que quiserem. Eu podia até deletar, mas alguns eu deixo sair. Como a maioria dos trolls, as crianças-troll também comentam e se mandam. Geralmente nunca voltam ao mesmo setor de comentários. Nem sequer ao mesmo blog. É assim mesmo. Um abraço, amigo.

        jose eraldo says agosto 6, 2012

        É verdade amigo Bruno, é bem por ai mesmo.
        Mas é sacanagem né? hehehehehe

        Abraço!

          brunogrunig says agosto 6, 2012

          Pois é… se estivessem por perto a gente podia puxar a orelha, rerere…

André Roberto Casarotte says julho 14, 2012

Eu gostaria de dicas para me ajudar a escrever um livro de mistério

    brunogrunig says julho 14, 2012

    Olá André. A melhor coisa… leia livros do gênero e procure assimilar as técnicas. Um abraço.

André Roberto Casarotte says julho 14, 2012

Segui seu conselho e comecei a escerver, muita gente não gostou, mas não liguei porque percebi que não importa se as pessoas gostem ou não gostem o que importa é que eu gosto.

    brunogrunig says julho 14, 2012

    Olá André. É isso mesmo… siga em frente. Um abraço.

    jose eraldo says agosto 6, 2012

    Amigo André,

    Me encaminhe alguma coisa que eu dou uma avaliada quais são seus pontos fracos se existirem.
    cobranca.lgs@tntbrasil.com.br

    Abraço!

kylz marielly souza meireles says julho 12, 2012

nossa, me ajudou muito, ja tenho um rumo melhor para começar. obrigada

    brunogrunig says julho 14, 2012

    Valeu Kylz, um grande abraço.

Guilherme says julho 11, 2012

Po cara, muito bom o artigo. Estou escrevendo um livro tbm e ja baixei o yWriter aqui para me ajudar na criação dele. Valeu pela dica.

    brunogrunig says julho 12, 2012

    Valeu Guilherme, espero que o programa ajude. Um abraço.

wagner conrado says julho 10, 2012

Amigo, para fazer a revisão ortografica por exemplo tem algum programa de computador. Como devo fazer?

    brunogrunig says julho 12, 2012

    Olá Wagner. Creio que deve existir, mas não conheço. Um grande abraço.

Andrei Trentini says julho 9, 2012

Olá Bruno, tudo bem?

Conversamos um pouco na sexta feira e gostei muito das suas dicas.
Tenho mais umas perguntas:

Eu estou acabando o segundo livro policial, como comentei. Até o final do mês terei dois prontos, um maior de 280 páginas e um menor de 60 páginas, ambos protocolados na Biblioteca Nacional.

Acabei gostando dos dois.
Andei sondando as editoras que editam policiais e cheguei a umas 10 selecionadas, entre maiores e menores.

Gostaria de saber, da sua experiência, quanto tempo em média as editoras levam para nos dar uma resposta, seja positiva ou negativa.

Escrever não é meu ganha pão, mas teria muito prazer em ver um livro meu publicado. Vejo nos comentários cá e lá que é muito difícil e árduo o caminho da publicação. O que quer dizer isso?

Um grande abraço,

Andrei

    brunogrunig says julho 12, 2012

    Olá Andrei. É difícil dizer quanto tempo demoram. A minha experiencia com editoras já tem muito tempo. Mas creio que você pode contar em termos de meses. Talvez uma ou outra seja mais rápida. Mas creio que o problema não é este. O negócio é que geralmente você vai ouvir muito “não”. É preciso saber lidar com isso. Por isso é árduo o caminho. Mas temos que contar que alguns autores novos são publicados, é claro. E se for você? Espero que seja. Vá em frente, acredite e quem sabe em breve veremos seu livro nas prateleiras… Um abraço.

juliana says julho 7, 2012

otimo 10!

    brunogrunig says julho 9, 2012

    Valeu Juliana. Um abraço.

Luisa Lourenno says julho 7, 2012

Olá (de novo) Bruno, eu baixei por esse link que você me passou e mudei para língua portuguesa. Muito obrigada. Só tenho mais uma perguntinha, é que depois que eu baixei ele continuou em inglês. Você disse que esse programa tem tradução em português, como posso passá-lo para essa língua?

Luisa Lourenno says julho 6, 2012

Olá, Bruno. Seu post foi de extrema importância para mim. Esclareceu muitas de minhas dúvidas, mas, estou tendo sérios problemas com a inicialização do yWriter, (eu já o baixei). Já ouvi falar em vários sites e blogs sobre como este é um programa fantástico, e gostaria de sua ajuda, poderia me passar o link para o download por favor?
Agradeço.

letizia cenci says julho 5, 2012

eu estou continuando a saga crepusculo eu ja sabia de tudo isso mas obrigada isso ja me deixou mais tranquila eu podia estar fazendo a coisa errada

    brunogrunig says julho 5, 2012

    Valeu, Letizia. Espero que chegue lá. Um abraço.

Andrei Trentini says julho 5, 2012

Bruno, esqueci de uma coisa. Gostaria de tentar “comercilizar” meus livros. Partindo da sua resposta, já que não é recomendável disponibilizar um livro pela internet como ebook, eu teria que contatar as editoras diretamente.

Qual seria o melhor caminho para fazê-lo?

1. Eu poderia usar o segundo (um pouco menos importante e menos interessante)como teste, para fazer nome e tornar-me minimamente conhecido. Depois contatar editoras e oferecer o primeiro, que na minha opinião é o mais legal. Eventualmente usaria os outros livros que venha a escrever;

2. Poderia usar direto o meu primeiro livro, que acho que é meu maior trunfo, enquanto acabo de escrever o segundo, menorzinho, mais acessível, etc? Ou ainda mostrar às editoras tudo o que tenho de uma vez só?

Mais uma vez obrigado pelas opiniões.

    brunogrunig says julho 5, 2012

    Olá Andrei. Se você acredita mesmo neste primeiro livro, se acha que é o melhor, registre e envie para editoras. O caminho é árduo, acredite. Procure focar bem as editoras, quanto ao gênero. Não compensa enviar para todo mundo, tipo “atirar pra tudo quanto é lado”. Analise bem e envie para as que considerar que lhe darão mais chances. Não vejo necessidade de esperar pelo segundo livro e enviar tudo. É melhor fazer um trabalho focado no primeiro. Um abraço.

Andrei Trentini says julho 5, 2012

Olá Bruno, tudo bem?

Acabo de escrever um livro, trata-se de um romance policial. Ficou muito de acordo com o que eu queria, fiquei bastante contente. Ocorre que infelizmente ficou um pouco longo (280 páginas). Já comecei a escrever outro livro que me parece será bem mais curto. Como tenho intenção de tentar publicar, pretendo finalizar este segundo e começar tentando a publicação por ele, por ser mais fácil. A idéia está completamente pronta (nunca digito a primeira letra antes de saber exatamente o que acontecerá).

Desta forma, gostaria de saber algumas dicas suas para este caminho. Como funcionam os meios de publicação? O fato de eu disponibilizar algum livro pela internet elimina a chance de contrato com uma editora? E, finalmente, uma questão técnica: o primeiro livro escrevi em terceira pessoa (foco do narrador). Este segundo livro teria de ser narrado em primeira pessoa, por questões que posso explicar depois. Mas tenho uma imensa dificuldade de narrar uma história em primeira pessoa. Tem alguma dica ou conhece site que elucide algo sobre o tema?

Também gostaria de saber se conhece alguma oficina de escritores ou grupo de pessoas que se ajudem, releiam, dêem palpites, etc.

Um abraço e muito obrigado!

    brunogrunig says julho 5, 2012

    Olá Andrei. Creio que o fato do livro ter 280 páginas não prejudica, se o conteúdo for realmente necessário à história e tiver a propriedade de prender a atenção do leitor. E nada impede você de editar, retirando o que não é necessário. As editoras têm suas regras. É preciso entrar nos sites e ver quais são elas. Em geral, requerem que o livro seja registrado em nome do autor, por exemplo. E determinam como deve ser enviado o material. Acredito que publicar o livro via Ebook afaste as editoras, pois já não seria um material inédito. Desconheço algum site ou livro que ensine a narrar na primeira pessoa. Eu, ao contrário de você, até prefiro narrar assim. E toda vez que o faço, em minha cabeça eu sou o protagonista da história. Então fica fácil, é como contar algo que aconteceu comigo. Talvez seja este o problema. Você não assume a identidade do personagem. Desconheço alguma entidade que se preste a avaliar livros. Mas creio que não custa tentar achar alguém do ramo que o faça. De preferência alguém totalmente imparcial, que possa avaliar com honestidade e não tenha medo de magoar. Porque parentes e amigos realmente não servem para isso. Eles não lêem e dizem que está uma maravilha, rerere… Boa sorte e um grande abraço.

Davi says julho 4, 2012

Quais são as fontes para escrever o livro?

    brunogrunig says julho 4, 2012

    Olá Davi. Se você está escrevendo seu livro, não se preocupe com isso, que será decidido na hora de publicar. Se vai publicar um ebook, e necessita escolher o tipo de fonte, as mais comuns são Arial e Times New Roman. A diferença entre as duas é que arial é uma fonte lisa, enquanto Times é serifada. Alguns recomendam, para livros impressos utilizar fontes serifadas em grandes blocos de texto, para tornar a leitura mais fácil. Em ebooks, entretanto, para leitura na tela do computador não faz tanta diferença. Enfim, tudo se resume à facilitação da leitura. Procure testar fontes diferentes, serifadas ou não, e teste a leitura na tela do computador e com o texto impresso. Um grande abraço.

kaline says julho 4, 2012

Nossa muito bom. Comecei a escrever um livro e pelo o que percebi estou indo bem. ^^

    brunogrunig says julho 4, 2012

    Valeu, Kaline. Legal, continue em frente. Um abraço.

Pamela says julho 2, 2012

Boa tarde,

Muito obrigada para que escreveu o post. Foi de grande utilidade para “resumir” o modo de se escrever.
É lógico que escrever é algo mais complexo do que se possa imaginar, mas tudo o que foi escrito é uma excelente base para um bom livro. Tudo depende da criatividade.
Tenho 17 anos e amo escrever, transmitir por palavras coisas que não se podem explicar. É ótimo fazer os outros viajarem com a leitura.
Estou em ano de cursinho, mas sempre que tenho tempo continuo meus projetos.
Alguém conhece editora que publique livros de deísmo, ateísmo, viver sem religião e assuntos do gênero? Aliás, aceito indicações de livros sobre esse tema.
Pamela Miranda

    brunogrunig says julho 2, 2012

    Olá Pamela. Várias editoras publicam este tipo de tema. Geralmente isto já está publicado em seus sites. Um grande abraço.

ALCIONE PESSOA LIMA says junho 29, 2012

Há tempos estou escrevendo alguns poemas e crônicas. Tenho a pretensão de escrever livros e tenho muitas dúvidas. Não segui as regras apontadas, pois, iniciei escrevendo como um terapia e fui tomando gosto. Procuro ler mais e buscar ajuda como a deste site para ver se me torno mais objetivo e realize a minha pretensão. Sou bacharel em Direito e por isso tendo a uma linguagem jurídica, o que preciso me desvencilhar, pois a minha poesia é livre, o que vem do coração.
Então, quero agradecer as informações e baixarei o site para começar os trabalhos, pois, quem sabe em breve não terei concluído o primeiro livro de poesias…
Valeu!
Alcione-Teresina/PI

    brunogrunig says junho 29, 2012

    Olá Alcione. A maioria das dicas aqui são para livros de ficção, portanto as regras não servem muito em seu caso. Poemas e crônicas já seriam escritos de forma diferente. Mais solta, digamos assim. Creio que uma boa idéia seria colocar lado a lado os poemas e/ou crônicas que tivessem mais “afinidade”, ou seja, cujo teor fosse parecido. Assim você daria fluência ao livro. Um grande abraço.

Caio says junho 28, 2012

Eu estou interessado em escrever um livro, contando uma história curta, que recursos eu posso usar para “esticar” esta história.
Um grande abraço

    brunogrunig says junho 29, 2012

    Olá Caio. Na verdade, conforme o conceito de partir de um resumo, toda história é curta. Pois a maioria dos autores parte de um resumo, com poucas páginas (até umas dez), que conta a história toda. Depois se escreve o livro, inserindo detalhes, como lugares, descrições de personagens, cenas com acontecimentos e assim por diante. Um abraço.

Delfino Túlio-Go says junho 26, 2012

Muito Obrigado.Aprendi muito com as suas dicas.

    brunogrunig says junho 27, 2012

    Valeu Delfino. Um grande abraço.

Bela says junho 24, 2012

Olá professor, enviei no dia 2 de junho,um enxerto do livro que ando a ecrever,gostaria que me desse o seu parecer,e se devo continuar…
adoro as suas dicas.
obrigada pela atenção.

Manoel Raimundo O. Lima says junho 23, 2012

Adorei, valeu

    brunogrunig says junho 24, 2012

    Olá Manoel. Bom que você gostou. Um abraço.

Paula Rui says junho 21, 2012

na historia eu falo um pouco de mim e do outro personagem, gostaria de saber como faço pra juntar tudo e começar entrar na historia de fato?

Paula Rui says junho 21, 2012

suas dicas me ajudaram muito,estou querendo escrever algo que aconteceu comigo, qual a melhor maneira pra descrever os fatos?

    brunogrunig says junho 24, 2012

    Olá Paula. Você já tem um tema, que é o “algo que aconteceu com você”. Faça um resumo de sua história, de maneira que tenha começo, meio e fim. Aí terá uma boa base para começar seu livro. Uma idéia seria começar introduzindo os personagens, suas vidas, etc., depois relatar os fatos que levaram ao acontecimento e finalmente, o acontecimento em si. Um abraço.

enedina raissa candido says junho 21, 2012

olá

    brunogrunig says junho 24, 2012

    O que me resta dizer? Olá, Enedina. E um abraço.

Julio Cesar Casarotte says junho 14, 2012

Conheci seu blog e fui dar uma olhada e me interessei,mas não tenho nenhuma ideia sera que pode me ajudar ?

    brunogrunig says junho 15, 2012

    Olá Julio. Olhe ao seu redor. Praticamente tudo o que você vê, sente, vive, ouve, pode ser um tema para um livro. A idéia está bem aí, no seu dia-a-dia. Comece com um tema simples, um livro pequeno. Não queira sair logo de cara escrevendo um best seller. Um grande abraço.

André Roberto Casarotte says junho 14, 2012

Eu gostaria de dizer que nas suas “explicação” foram bem entendidas e eu gostaria de perguntar se daria certo fazer um livro sobre Elementos,porque já tenho essa ideia a anos,mas nunca tive coragem de escrever porque tenho vergonha vai que ninguém gosta eu me arrependeria e eu não quero me arrepender.

    brunogrunig says junho 15, 2012

    Olá André. Não cheguei a compreender exatamente o que você quer dizer com “elementos”, mas seja qual for o tema do seu livro, esqueça esse negócio de vergonha. Medo que ninguém goste? Pare com isso. Uma das primeiras coisas que um escritor precisa aprender é lidar com a rejeição. Todos nós ouvimos muitos “nãos” e muitas críticas, algumas delas feitas para destruir. Mas o que devemos fazer? Guardar tudo na gaveta, para não sermos molestados, para ficarmos achando que todos gostam da gente? Não e não. Se você não quer se arrepender, escreva este e mais outros livros e vá à luta. Um grande abraço.

    José Eraldo says junho 22, 2012

    Grande André!!

    Assino embaixo tudo que o Mestre Bruno falou. Não guarde suas idéias por medo do que as pessoas vão achar. Faça o seu melhor e tire estas paranóias da cabeça. Como disse o Bruno, quem escreve precisa saber lidar com a rejeição porque elas virão meu amigo e o diferencial está em quem se aprimora sempre e nunca desiste.

    Abraço!

Lucas says junho 13, 2012

Gostei, me ajudou muito a pensar sobre como escrever meu livro ‘A busca pela vida’, estava lendo os comentários, para publicar um livro impresso é tão difícil assim?

    brunogrunig says junho 15, 2012

    Olá Lucas. Não é difícil, se você bancar a coisa toda. Mas enviar seu livro a uma editora e esperar que seja publicado… arrrammm… complicado. AS chances são mínimas, infelizmente. Mas isso não quer dizer que você não deva tentar. Mas se vai tentar, faça tudo o que puder, tudo ao seu alcance para enviar um trabalho de alto nível. Digamos assim: envie um livro que só uma editora cheia de idiotas não publicaria. Capriche também na apresentação. Enfim… seja profissional, destaque-se da maioria. Um grande abraço.

v says junho 11, 2012

Olá! Conheci seu blog há algumas semanas atrás e “já virei cliente”, adoro seus artigos, e a inegável influência de Millor Fernandes, a qual você já comentou dá um toque todo especial. Mas, você realmente acha que as coisas, no momento de escrever tem de ser levadas tão a ferro e fogo? Posso estar errada. mais acredito que cada escritor pode ter seu prórprio processo de escrita, que será desenvolvido com o tempo, você não concorda?

    brunogrunig says junho 11, 2012

    Olá Vicky. Realmente, cada um pode desenvolver um processo de escrita, sem a menor dúvida. Se é que estamos falando da mesma coisa. O processo pode ser qualquer um. O resultado final é que deve ter uma determinada qualidade, um determinado formato. Se o resultado do processo desenvolvido pelo escritor for um livro de ficção enfadonho, o processo falhou. Se obteve o resultado desejado, que é prender o leitor, o processo funcionou. As técnicas das quais falo, são usadas por escritores que conseguiram chegar lá. E na minha concepção… “não é necessário bater em porta aberta”. Um grande abraço.

Geedes says junho 10, 2012

Olá Bruno, gosto muito de suas dicas.. estou começando a faze rum livro de Ficção, Fantasia e queria que você desse uma olhada e me dissesse se está bom, onde posso melhorar.. é a primeira cena, comecei ele Hoje ante eu já tinha tentado outro de terror, só que foi horrivel, e eu coloco muita dé nesse ai e não quero desistir. está aqui nessa pergunta.

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120610125030AAIDjEZ

    brunogrunig says junho 10, 2012

    Olá Geedes. Eu li o trecho. Você está no caminho… Leia mais ficção e preste muita atenção na construção das cenas. Assim poderá aprimorar sua maneira de escrever. O mais importante, no início é saber, além das técnicas para escrever a história, a sua própria história em si. Você precisa fazer um resumo que conte a história do princípio ao fim, para só depois escrever o livro. Um abraço.

    José Eraldo says junho 22, 2012

    Bom… Amigo Geedes,
    Não está de todo ruim, achei os diálogos bem construídos, mas ao escrever ficcção precisa saber onde está pisando e ter exatamente a noção do que está fazendo ou a estória desanda. A princípio pelo que pude percebder a mulher é o diabo e a estória se passa no inferno! Do contrário está exagerada demais, mesmo sendo ficção.
    Como o Bruno disse leia mais sobre ficção e aprenda a dosar e mesclar a realidade com a ilusão sem exageros porque tudo que é demais estraga.

Bela says junho 2, 2012

Olá professor Bruno: Ando já algum tempo a escrever um romance,embora me digam que a história está bem cncedida, o meu problema é os parágrafos e como dividir a história em capítulos,”quando se deve acabar um e começar outro”perdoou-me o abuso,mando-lhe um pequeno enxerto do texto.

Era uma tarde de inverno.Tudo ao meu redor parecia desconfortável, precisava de alguma coisa que me distraísse,que me tirasse daquela monotomia. Abri um livro… um livro que já tinha lido um sem número de vezes mas sempre que o lia era como se o lesse de novo.Tinha magia, fazia-me transportar para uma das personagens.
A chuva; lá fora continuava e o frio também, acendi a lareira, liguei o CD e recostei-me no sofá. E deixei-me levar mais uma vez pela música de Sinatra.
Era uma jovem escritora Inglesa, acabara de licenciar-se em letras, mas a cidade onde vivia era pequena de mais para ela, então decidiu ir à descoberta pelo Pais fora…talvez Londres? Quem sabe.
Comprou o bilhete de ida só de ida,pois queria deixar para trás o passado e a sua infância,tinha perdido os pais muito novos, foi criada pela avó a quem muito amava e que acabara tambem de perder; nada nem ninguem a prendia ali.
Tinha apenas 23 anos chamava-se Elisabete Rogers…Elisa para os amigos, Elisa era alta e muito elegante,não era bonita mas tinha algo nela que atría com quem ela privasse..por onde passava não deixava ninguém indiferente.etc…etc..
Obrigado por me escutar…

Eduardo says junho 1, 2012

Oi amigo, obrigado pelas dicas. Começei a escrever uma obra de ficção, mas como é a minha primeira viagem no mundo da escrita ( de livro), eu precisava de alguns conselhos para não me perder no meio do caminho, principalmente em relação a organização da história que estou desenvolvendo. Estou escrevendo na terceira pessoa e as vezes encontro um pouco de dificuldade. Necessariamente a história precisa ser narrada por algum dos personagens? Se eu escrever a história narrando na terceira pessoa, porém sem dar a alusão de que algum dos personagens já saiba, está errado? Mais uma vez lhe agradeço e o parabenizo pelos conselhos e pelas dicas que com certeza esclaresceram muitas dúvidas e estam ajudando muitas pessoas, inclusive eu.

    brunogrunig says junho 1, 2012

    Olá Eduardo. Não está errado escrever tudo na terceira pessoa. Aliás, em algumas histórias, com mudanças constantes de personagens, isso é necessário. A narração por um dos personagens é – na minha opinião – mais fácil, mas nem sempre possível, porque o personagem só pode contar aquilo que vê, falar de cenas em que participou. Vá em frente sem medo, você está certo. Um abraço.

Sandra Mara says maio 31, 2012

Parabéns pelo post. Um dos melhores que já li. Estou sempre buscando mais informações sobre esse assunto e foi muito bom encontrar seu site.

Bela says maio 30, 2012

Bela:
Olá professor Bruno.estou a adorar o seu blog, principalmente as dicas
que dá para quem como eu adora escrever,comecei já algum tempo a escrever um romance, os seus concelhos tem-me sido preciosos obrigado.

    brunogrunig says maio 31, 2012

    Valeu Bela. Um grande abraço.

Selcianny says maio 29, 2012

Adorei as dicas, so vou ter um pouco de dificuldade para pegar o jeito nesse yWriter5 mais eu vou devagar, faz um bom dempo que eu estou escrevendo redações, artigos para o jornal da escola, e com isso tudo porque não escrever um livro, gosto muito de sobrenatural, magia essas coisas daria um belo livro 🙂
espero publicar em breve 🙂
OBG pela a ajuda me foi bastante útil

    brunogrunig says maio 29, 2012

    Valeu, Selcianny. Abraço.

    José Eraldo says junho 8, 2012

    Olá Selcianny,

    Eu estou começando a usar este programa agora tambem e achei ele bem legal. o interessante é que te permite uma organização maior dos personagens.
    Mas para aprender somente praticando e mexendo no programinha.

    Abraço!

sandra marta says maio 26, 2012

GOSTEI DA MANEIRA QUE ENSINOU A ESCREVER UM LIVRO.A MAIS INTERESSANTE QUE ABRI ATÉ AGORA.PODERIA DAR DICAS DE COMO ESCREVER UMA BIOGRAFIA.TENHO UMA HISTORIA ATE INTERESSANTE.TODOS FALAM QUE EU DEVERIA ESCREVER.NEM QUE SEJA SÓ PARA MIM.

    brunogrunig says maio 29, 2012

    Olá Sandra. Creio que em primeiro lugar, há que reunir informação sobre o biografado. Depois colocar isto tudo em alguma ordem (cronológica). Depois ou durante, melhor dizendo. Por fim, criar uma espécie de “script”, como vai ser narrada a biografia. Mas não se fie muito no que estou dizendo… pesquise. Abraço.

    José Eraldo says junho 8, 2012

    Sandra,

    A vida de todo mundo dá um livro, algums mais interessantes outros menos. Este “Conselho” que você diz receber de amigos para escrever um livro da sua vida soa mais como um ditado, quase todo mundo já ouviu isso de alguém. Um livro biográfico parte do princípio de que alguém queira ou se interesse pela vida do biografado ou seja ele precisa ser uma pessoa de alguma forma conhecida.
    Mas é claro, nada impede que escreva para você mesmo, apesar da idéia parecer idiota ela não é!
    Agora vamos para outro patamar. Digamos que a sua história é realmente algo fora do comum. De então um aspecto de romance nesta história e tente entrar no mercado de escritores.
    Por mais difícil que pareça, e realmente é! Mas eu sempre digo sempre há lugar para quem tem qualidade. Se a sua história for boa mesmo e bem escrita, quem sabe você não pode ter seu livro publicado.

    Abraço!

Christine says maio 25, 2012

Obrigado pelas dicas, me ajudarão muito.

yussara evellyn says maio 14, 2012

eu sempre gostei de ler e minhas redações na escola sempre boas então pensei “por que ñ escrever um livro?” mas ñ sabia como então achei o seu site e adorei as dicas que me ajudaram muito continue a assim ta ok beijos e quando meu livro for lançado leia ta bom sei q estara bom kkkkkkkkkkkk 🙂 xau

    brunogrunig says maio 14, 2012

    Olá Yussara. Valeu a visita e o comentário. Um grande abraço e sucesso…

Angélica says maio 11, 2012

Amigooo amei o seu site!
Mas nao estou conseguindo baixar o programas!
Como faço?

    brunogrunig says maio 14, 2012

    Olá Angélica. Que programa? O Ywriter? Explique melhor o problema e te dou umas dicas. Um abraço.

bruno joelson says maio 10, 2012

Ola chara!
sou estudante vivo em moscovo (Russia) quero escrever um livro sobre a convivencia e interacao com o povo russo bem como um guia de orientacao dentro da cultura( habitos e costumes) russa o que devo fazer para comecar??

    brunogrunig says maio 10, 2012

    Olá Bruno. Creio que você poderia começar com anotações, organizadas por assunto. Assim, na hora de começar a escrever o livro em si, você já terá muitas referências. Um abraço.

Fernando Meireles says maio 10, 2012

Olá, sempre tive a vontade de escrever um livro, mas não sabia como começar e suas dicas me ajudaram muito. Continuarei pesquisando e assim adquirir mais conhecimento. Espero que leia meu livro quando estiver pronto! (Risos) Abraço e muito obrigado!

    brunogrunig says maio 10, 2012

    Olá Fernando. Siga em frente, não se detenha. Quando estiver pronto… mande que eu leio pelo menos uma parte (sei lá se você vai escrever um trem de oitocentas páginas…). Um grande abraço.

dauane says maio 7, 2012

eu quero escrever um livro amo escrever e quero escrever tenho so 12 anos e gosto muito de escrever um livro por favor me ajuda

    brunogrunig says maio 7, 2012

    Dauane, Dauane… calma, menina… você tem todo o tempo do mundo. Procure estudar bastante, ler muito e começar escrevendo histórias pequenas, bem pequenas. Vá devagar, seja persistente e chegará longe. Um abraço.

brasilaves borges da silva says maio 6, 2012

Olá Bruno, gostaria que me indicasse técnicas de como escrever livros (alguma oficina virtual): a escolha do tema, o planejamento, a sequência; enfim, como montar um livro atrativo.
Já escrevi 4 livros tendo um publicado e outro pronto no DVD. Contudo, ainda me sinto inseguro quanto às técnicas.

    brunogrunig says maio 7, 2012

    Olá Brasilaves. No meu manual exploro boa parte disso. Procure também ler muito, principalmente o genero em que deseja basear sua histórias. Um abraço.

Ana Bárbara says maio 2, 2012

Nossa, muito obrigado por esse artigo, vai me ajudar e muito, espero que se meu projeto de livro der certo espero que um dia você leia, haha!
Muito obrigada mesmo!

    brunogrunig says maio 7, 2012

    De nada, Ana. Sucesso. Um grande abraço.

Rodrigo N. says maio 2, 2012

E aí, tudo bem? Baixei esse programa, o ywriter, mas não consigo escrever nele. Não sei onde se escreve, pode me dizer? Por exemplo, iniciar o primeiro capítulo e escrever. Parabéns pelo altruísmo.

    brunogrunig says maio 7, 2012

    Olá Rodrigo. Você precisa, em primeiro lugar, criar capitulos e cenas, nas tabs apropriadas. Explore as tabs na parte de cima do programa e verá que pode até mesmo mudar a linguagem. Se mesmo assim não cosneguir, entre em contato. Um abraço.

carllos carneiro says abril 28, 2012

esses foram otimas dicas
muito obrigadoo

    brunogrunig says abril 28, 2012

    Valeu Carllos. Um abraço.

Nathany Balduino says abril 26, 2012

Nossa .. Eu adorei tudo o que você disse
Está de parabéns. Continue assim, mas se for pra mudar, mude pra melhor! Abraços

    brunogrunig says abril 28, 2012

    Olá Nathany (bonito nome), obrigado por suas palavras. Um grande abraço.

Rodrigo says abril 21, 2012

Muito boas as suas dicas ! Passa o seu email por favor pra batermos um papo melhor e vc mim explica de um modo mais simples por favor.

    brunogrunig says abril 22, 2012

    Olá Rodrigo. O email é brunogrunig@gmail.com . Mas não posso prometer altas explicações, o tempo é curto. Um abraço.

abdulay says abril 18, 2012

gostei obrigado.

    brunogrunig says abril 22, 2012

    Valeu, Abdulay. Um grande abraço.

Rafael says abril 12, 2012

Oi, tudo bem?

Rapaz, vagando pela net acabei encontrando o seu Blog. Muito legal e informativo, está de parabéns.
Aproveitando a passadinha queria saber uma coisinha.

Eu escrevo algumas coisas. Pretendo, como muitos por aqui, ter um livro (ou livros) lançados um dia, mas diferente de algumas pessoas, eu sou muito reservado. Não sou aquele cara político, que procura amizades apenas pelo QI, vou a eventos, associações e o kct a 4 só para ter meus contatos. Temo que isso dificulte a minha entrada no mercado.
Realmente eu não sei como ele funciona, como se consegue uma primeira publicação, com quem conversar e como obter uma chance de apresentar o seu trabalho.

QI nessa harea é tão importante como nas d+?

O max que eu sei é o quanto uma editora come de você, dependendo do que é feito no livro. Capa, revisão, tudo é cobrado nas % finais.
Sei também que o certo é registrar a obra antes de apresenta-la, assim não há problemas com plagios e etc.

Não sei o quão conhecedor você é desse mundo. Mas como ja falei, eu sou totalmente excluido dessas rodas (por vontade própria), não procuro conhecer quem trabalhe na área por pura opção.

Isso dificulta muito o meu trabalho?

    brunogrunig says abril 12, 2012

    Olá Rafael. É claro que ter alguém que dê um empurrãozinho sempre é bom. Mas a maioria de nós, simples mortais não conhece este alguém. O que não quer dizer que não se possa chegar lá. O caminho é submeter o livro à apreciação de editoras, seguindo as instruções de cada uma delas. Infelizmente, na maioria das vezes você recebe uma resposta-padrão, tipo: “no momento nossa programação para o ano…”. Já sabe, né? Negativas. Mas como já ouvi alguém dizer, a cada não estamos mais próximos do sim. Creio que o mais importante é ter um material de qualidade. Um livro bem escrito, com uma história original e diferente. Algo realmente sólido. Porque se você tiver algo apenas razoável, mesmo que for publicado, não vai vender muito. E aí… com a porcentagem que sobra para o autor (8 a 10%), fica ruim. Além disso, não custa também tentar fazer um pouco de pressão, ligar para a editora, enviar email. Quem sabe numa dessas… O outro caminho é bancar a publicação. Caso em que o montante auferido com as vendas é do autor, ou seja, você precisa vender bem menos para ganhar o mesmo dinheiro. O inconveniente é que também fica por sua conta a divulgação. Espero ter esclarecido um pouco. Um grande abraço.

xarlyz says abril 12, 2012

vlw pelas dicas,mais eu ainda tenho algumas duvidas sobre escrever livros,tipo assim,quando comecei a escrever um livro seguir suas dicas mais eu nao sabia como começar se eu escreveria primeiro a historia e depois marcavas os capitulos ou começava pelos capitulo e desenvolvia a historia dentro do titulo dos capitulos.nao sei se o sr. entendeu minha duvida,mais se o sr. tiver entendido pode mim dar uma ajuda?pq eu ainda tenho essa duvida!!ja procurei em varios blogs mais nao encontrei nenhuma resposta!!rsrs

    brunogrunig says abril 12, 2012

    Olá Xarlyz. Conforma as dicas do blog, o que você deveria fazer é um resumo da história completa. Só depois é que começaria a escrever a história com detalhes. Há muito mais sobre isso em meu Ebook. Um abraço.

Zain Ronconi says abril 2, 2012

Bruno, muito obrigado pela atenção e pelas valiosas informações. Receber elogios de um profissional do seu nível é extremamente gratificante e incentivador.

Por favor avise-me quando seu livro estiver disponível. Grande abraço!

zainronconi@yahoo.com.br

Rayssa Pontarolo says abril 1, 2012

ola
eu tenho como um grande sonho escrever um livro, e tenho uma idéia formada a respeito do tipo que será, mas eu nao conssigo penssar num final empolgante.
Portanto, nem o resumo esta pronto.
Se o Sr. pudesse me enviar um email com alguma dica, para mim tentar desenvolver isto, seria grata.
eu leio muito, e acredito que isso me ajudara, porem, sempre imagino as obras que leio, e isso acaba me atrapalhando bastante.
muito obrigada pela sua atençao,
att. Rayssa Pontarolo

    brunogrunig says abril 1, 2012

    Olá Rayssa. AS dicas já estão aí. O que está faltando é você criar coragem e fazer um resumo, por mais que isto lhe pareça impossível. Coragem, Rayssa! Um grande abraço.

    Eric Carvalho says abril 23, 2012

    Rayssa,
    passei por algo parecido com o meu. Uma dica que me ajudou foi fazer algo completamente diferente do que se está habituado. Leia, assista, etc, sobre coisas que não tenham nada a ver com a sua história. Isso estimula sua criatividade e evita que você acabe seguindo obras que você já conhece.

Zain Ronconi says março 29, 2012

O texto foi enviado sem formatação, de modo que um parágrafo ao final não foi evidenciado. Peço desculpas.

grande abraço. Grato desde já.

    brunogrunig says abril 1, 2012

    Sem problema.

Zain Ronconi says março 29, 2012

Olá. Antes de tudo, gostaria de parabenizá-lo pela iniciativa de expor esses ricos esclarecimentos ao alcance de todos.

Muito bem, estou no caminho final de um livro que já venho escrevendo há quase dois anos, mas ainda não o lapidei de forma satisfatória para uma eventual publicação. Não foi passado por nenhum tipo de revisão profissional (o que se faz extremamente necessário tendo em vista que nunca fui dos melhores em gramática hehehe).

Pois bem, percebendo sua grande atenção e apoio em meio às inúmeras respostas acima, se possível, gostaria de explorar um pouco mais o seu conhecimento e sua paciência. Abaixo estou lhe enviando um pequeno trecho do meu livro. Gostaria de receber o seu parecer acerca do seu desenvolcimento, a qualidade da minha escrita e pontos negativos em relação à pontuação. É um longo trecho que relata um momento de tensão. Gostaria de saber se essa “tensão” realmente transparece em meio à narrativa, se essa última está muito fragmentada (muito pausada em alguns momentos) ou se possui um alongamento exagerado que deixa o leitor com falta de ar ao final do parágrafo, como se tivesse acabado de subir uma ladeira correndo.
hehehehe!

Fico grato desde já, pois seu comentário será o primeiro válido, visto que todos os outros partiram de amigos e pessoas da família e o afeto deles os fazem suspeitos para comentar algo sobre o livro hehehe!

___________#_______________#________________#_______________#_________

TRECHO:

A tarde caiu e o céu agora estava negro. Aquelas nuvens escuras antes distantes haviam se aproximado e pairavam ameaçadoras sobre o rio. Grandes raios iluminavam a floresta em flashes de luz contínuos. Os trovões davam impressão de enormes rochas que pareciam se chocar uma nas outras produzindo um som perturbador. A brisa calma tinha dado lugar a um vento forte que soprava braviamente do Norte, fazendo as árvores inclinarem-se sobre a água. Uma terrível tempestade era anunciada. Nesse momento o barqueiro e os garotos procuravam abrigo debaixo da pequenina cabine do barco, espremendo-se uns aos outros para caberem ali dentro. Estavam visivelmente amedrontados. O barqueiro olhava para cima persignado, parecendo pressentir o pior. Nesse momento um grande trovão ribombou acima de suas cabeças, fazendo o barco estremecer. Após isso, houve um momento de calmaria e então o céu desabou sobre o rio. A chuva era torrencial e se derramava brutalmente, trazendo consigo poderosas rajadas de vento que vinham do leste, balançando o barco, que à essa altura estava quase inteiramente à deriva, segurado apenas por sua velha âncora improvisada que foi novamente lançada na água. No entanto, a ventania piorava. Sua força era assustadora e o peso da pequena âncora já não dava conta de segurar o barco que começava a se mover rapidamente na direção da margem oposta, repleta de pedras naquele ponto. Grandes árvores começaram a tombar sobre o rio, lançando seus enormes e pesados troncos na água, provocando grandes marolas a cada impacto, fazendo o barco oscilar ainda mais. A água agitada formava grandes redemoinhos próximo às margens e a correnteza se tornara furiosa. Percebendo que iriam se chocar contra a grande parede de rochas o barqueiro tentava desesperadamente retomar o controle do barco, mas era impossível torna-lo estável em meio à tormenta. A correnteza que se formou era mais forte que o impulso gerado pelo pequeno motor da embarcação, de modo que eles continuavam sendo empurrados pouco a pouco na direção das pedras. Houve um estalo no meio da mata e uma enorme árvore tombou, lançando alguns dos seus galhos sobre eles, acertando em cheio parte da proa que cedeu por causa da pancada, produzindo várias rachaduras em boa parte do assoalho. Os raios continuavam aterrorizantes e a cada clarão os garotos podiam perceber que uma grande quantidade de água nesse momento começava a invadir o barco através das fissuras abertas em seu casco. As avarias davam parecer que a qualquer momento a frágil estrutura do barco cederia, lançando todos eles diretamente para a correnteza impiedosa. Balançavam-se de um lado para o outro violentamente, e de repente começaram a girar sem controle. Haviam caído em um dos redemoinhos abertos na água turva. A cada lufada, o vendaval forçava para cima a pequena cabine onde estavam, fazendo-a se debater freneticamente contra a amurada. Os garotos agarravam-se em suas bases tentando em vão segura-la, pois a força do vento era descomunal. A água começava a inundar o pequeno convés deixando o barco cada vez mais pesado. Rodopiavam em desvario ao passo em que eram atraídos para o centro do redemoinho que lhes puxava para baixo. Estavam entregues à força arrebatadora daquela tempestade. Encontrar uma saída era algo improvável naquela situação. Não podiam afundar. Caso isso acontecesse não haveria escapatória. O grande funil causado pelo giro da água os sugaria para o fundo do rio em poucos segundos. Foi nesse momento que algo peculiar aconteceu. Em meio a outro clarão de um raio, dessa vez bem mais intenso que todos os outros, os garotos puderam vez de relance o barqueiro em pé sobre o estreito convés. Seus braços pareciam abertos em direção ao céu. Um estridente trovão ressoou acima deles e uma luz intensa começou a emanar do fundo do rio, iluminando todo o perímetro do barco. Outro raio caiu, mas esse era diferente. Não parecia ter vindo de cima, das nuvens, parecia ter saído das mãos do homem que ainda permanecia de braços erguidos. Seu corpo inteiro, assim como a água ao redor do barco, projetava luz. Uma luz azul fosforescente que não iluminava, mas que se fazia nítida no meio da escuridão. Naquele momento os garotos talvez não percebessem, mas haviam parado de girar. O barco sequer balançava. Pareciam elevados sobre a água. Ninguém acreditaria, mas quem estivesse do lado de fora sobre a margem próxima veria que aquilo não era uma alucinação. De fato flutuavam. Uma poderosa força sobrenatural mantinha-os erguidos acima do redemoinho, evitando que sucumbissem. Algo extraordinário acontecia. Um poder supremo os abraçava, protegendo-os contra o infortúnio. Apesar de intenso, tudo durou muito pouco tempo e logo um grande baque abafado mostrou que estavam de volta na água. Tinham caído de repente, mas dessa vez estavam fora do giro mortal daquele redemoinho.

    brunogrunig says abril 1, 2012

    Olá Zain. Creio que está bom, sim. Deu pra “sentir” a encrenca danada em que este pessoal estava metido. Nem se preocupe com os erros (que são poucos), pois numa eventual publicação haverá uma revisão. Apenas uma observação: “…estavam visivelmente amedrontados…” seria como se alguém estive vendo, e a narração implica numa pessoa onisciente (que sabe tudo), mas que não estaria “vendo”. De resto, só posso dizer: mande bala… Um grande abraço.

    José Eraldo says abril 3, 2012

    Zain,

    se me permitir comentar sobre o seu texto e preciso se sincero.
    a forma como você escreve não agrada aos olhos, é um texto muito pesado com pouca objetividade, se preocupa demais em discrever de forma muito, mas muito detalhista sobre uma simples tempestade chegando a ser repetitivo em muitos momentos tornando a leitura muito cansativa. poderia se preocupar em descrever a reação dos tripulantes que deveriam ser de maior interesse do leitor do que os efeitos catastróficos que os envolvia. A não ser que título do seu livro seja “A tempestade Assassina” onde a história se baseia nas vítimas anônimas do incrível fenômeno assassino.
    Eu sou um leitor assíduo, leio de tudo e com toda sinceridade, não leria o seu livro! Não pela história, mas pela forma que escreve parece querer dificultar um texto que poderia ser mais leve e objetivo.
    no entanto, esta é apenas a minha opinião, como diz o meu amigo Kajuru, fique sempre com a sua.

    abraço!

      Zain Ronconi says abril 7, 2012

      José Eraldo, agradeço a sua opinião, apesar de pouco construtiva. E não posso de maneira nenhuma contestá-la, uma vez que tenho uma opinião similar ao tipo de crítico que você parece ser e do tipo de leitura que você aparentemente gosta.

      Quando diz: ” a forma como você escreve não agrada aos olhos” você precisa levar em consideração uma pergunta básica que qualquer crítico iniciante, como parece ser seu caso, deve fazer: (Não agrada aos olhos de quem?)

      abraço!

        José Eraldo says abril 8, 2012

        Amigo Zain,

        não entendi se o seu comentário é jocoso ou está apenas debatendo o assunto que é somente o meu objetivo.
        Em nenhum momento disse que o seu texto é ruim. Na minha opinião ele peca justamente por este excesso nas descrições (buscando a perfeição) tornando-se repetitivas furtando dos personagens a atenção que penso que deveriam receber, e por consequencia tornando o seu texto pesado aos olhos, mas aos olhos de quem mesmo??
        Do leitor meu amigo Zain, do leitor, você escreve para os outros lerem concorda? Então precisa conhecer o seu público alvo e entender o contexto cultural que vivemos, num país onde não há o hábito da leitura. Portanto precisa decidir se irá escrever para a sua satisfação pessoal ou para vender livros.
        Você já leu algum livro do Noah Gordon??
        Na minha opinião ele escreve de forma semelhante a você, porém ele consegue equilibrar a forma de escrever tornando a leitura agradavel.
        se já não leu, procura “O Fisico” tenho certeza que vai gostar e se familiarizar com a forma da narrativa dele.
        Confira e depois me diga ok!
        o meu e-mail caso queira trocar uma idéia é: cobranca.lgs@tntbrasil.com.br

        abraço!!

          Zain Ronconi says abril 9, 2012

          José Eraldo, agradeço pelas dicas. De fato, agora você me ajudou. Ainda não conheço a obra citada, mas certamente irei procurá-la. Grande abraço!

          brunogrunig says abril 9, 2012

          Olá Zain. Andei acompanhando – meio quieto – a maçaroca entre você e o Eraldo. Rerere… Ainda bem que acabaram se entendendo. O importante é compreender que somos diferentes. Ainda bem né? Se fossemos todos iguais… muito chato. Eu penso que é melhor ouvir uma crítica dura mas sincera, do que um elogio falso. e conforme disse o Eraldo, parentes e amigos, nesta hora não servem pra nada. Sempre vão alisar a gente. Abraço.

        José Eraldo says abril 8, 2012

        Amigo Zain,

        Não há como saber o tipo de leitura que eu “aparentemente” gosto, e não sou nenhum tipo de “crítico iniciante” sou apenas um leitor que não te conhece e não tem nenhum interesse em tecer falsos elogios ao seu trabalho e é justamete este tipo de opinião que você precisa, pois acredite meu amigo, parentes e amigos só vão elogiar.

        abraço!!!

Leonardo says março 22, 2012

Vc disse que é mais fácil contar a história na 1ª pessoa. Mas no caso de ficção nao seria mais fácil contar a história na 3ª pessoa? já que, se eu me colocar no lugar do personagem, nao tem como saber de tudo. não é mais fácil estar do lado de fora da história, do que dentro dela? Tô muito encasquetado com essa dúvida, por isso ainda nao comecei minha história! Mas enfim… AJUDOU MUITO! vlw!

    brunogrunig says março 23, 2012

    Olá Leonardo. Contar a história na primeira pessoa só serve se o personagem principal participa da maioria das cenas. As cenas em que ele não participa são narradas por uma figura onisciente (que sabe tudo). Ou seja, você pode usar os dois métodos. Um abraço.

Yuri Plg says março 20, 2012

Obrigado pela dica, vou fazer o que você sugeriu. Abraço : )

José Aparecido Gonçalves says março 17, 2012

Muito bom mesmo.A verdade é que o próprio trabalho de escrever um livro já é uma aventura. E muitas vezes um autor considerado medíocre pela crítica tem aceitação muito boa pelos leitores e vice-versa.

    brunogrunig says março 21, 2012

    Valeu José, é isso mesmo. Um abraço.

Yuri Plg says março 15, 2012

Olá, ótimas dicas, mas eu queria saber se você tem alguma sugestão de como eu posso aprimorar minha escrita, eu gosto de escrever história e creio que tenho uma imaginação fértil, porém quando vou passa-las para o papel não encontro palavras com o significado, não consigo descrever com detalhes uma determinada cena e fica algo repetitivo e chato, como posso melhorar isso ?
Abraço e parabéns pelo blog !

Yuri Pfleger, 16 anos!

    brunogrunig says março 16, 2012

    Olá Yuri. Você precisa ler. Ler muito. E praticar. Uma boa idéia é ler e resumir livros. Um abraço.

Kleane Souza says março 15, 2012

Olá outra vez professor Bruno. Tudo bem?
Então, eu pensei que talvez o senhor pudesse avaliar algo que escrevi. É parte do prelúdio daquela tal estória que eu mencionei; aquela que não me sai da mente.
Enfim, Você me diria o que acha e o que preciso melhorar?



A melodia por mim conhecida ressona no ambiente aconchegante de maneira suave e acolhedora. A música é ‘Milk’’, de uma banda cujo nome não me vem à memória, e sua letra parece ter sido feita para me importunar.

(…) Fique por mim, fique por mim…

O cantor parece não se cansar de repetir aquela frase. Com voz sôfrega, como quem implora, ele repete essas palavras de forma contínua e desesperada; De forma que eu não fui capaz de fazer.
A música continua soando triste; Atordoando-me. A chuva cai lá fora, as nuvens negras cobrem qualquer resquício do brilho das constelações, o cheiro inebriante de chocolate fundido ao odor mentolado do cigarro aceso entre meus dedos é tudo o que me cerca.

É tarde – quase madrugada – e estou sozinho em ‘’Chocolat’’, meu pequeno estabelecimento – o cenário destes momentos incríveis que vivi e que perfuram minha mente como lembranças raivosas que não permitem serem esquecidas. A solidão corriqueira unida à calidez da noite traz consigo a saudade lacerante a qual já estou habituado.

Saudade dela.

De sua personalidade rabugenta e facilmente irritável, de seus olhos castanhos chocolates – vivos e ambiciosos… De tudo que a compõe.

― Conte a nossa história. ― Ela me dissera uma vez. A voz levemente rouca parecia sussurrar as palavras em meu ouvido agora, como se ela estivesse bem a minha frente, como se repentinamente o passado passasse a ser o presente.

― Conte nossa história, Caleb.― Que bonita aquela voz, que bonita e convidativa essa loucura, que me embala acolhedoramente nesta realidade que não existe.

O som do guizo da porta tirou-me de meus devaneios e anunciou a entrada de um novo cliente. Era uma garota diminuta cuja respiração ofegante e o rosto corado denunciavam sua exaustão. Seus cabelos e roupas estavam parcialmente molhados e um sorriso amável brincava em seu rosto infantil. Ela se moveu em direção a uma das mesas e escolheu uma próxima à janela. Encolheu os ombros timidamente e passou a observar a chuva forte, como se esperasse que ela cessasse o quanto antes.

Ela em nada lembra Isabela. Parece doce e meiga demais para ser comparada àquela adolescente que invadira minha mente e vida de forma abrupta e quase absurda. Ainda assim, a situação lembra a noite em que eu a conheci. Uma lembrança que – apesar de causar uma dor quase palpável – eu não suportaria se fosse esquecida.
Eu preciso eternizá-la. Não apenas esta lembrança; Todas elas.

    Kleane Souza says março 15, 2012

    ps: Encontrei alguns pequenos erros. Me desculpem e reconsiderem.

      José Eraldo says março 22, 2012

      Olá Kleane,

      quantos anos voce disse ter mesmo?? voce parece uma veterana menina!! tu escreves muito bem!! conseguiu nos passar perfeitamente o sentimento da personagem. o erros são poucos, como disse o Bruno, não se preocupe com isso agora. Continue escrevendo e estudando outros autores.
      parabéns!! me surpreendeu positivamente!

    brunogrunig says março 15, 2012

    Olá Kleane. Creio que a principal dificuldade de um aspirante a escritor seja passar para o leitor exatamente o que o escritor imaginou. Se assim for, você, Kleane, já não é aspirante. Sem conhecer a história toda, eu consegui “sentir” o ambiente e também já saber algo sobre o personagem. Creio que você está no caminho certo. Erros? Deixe que a revisão tome conta disso. Um abraço.

Davi says março 10, 2012

em que fonte e em que tamanho devo escrever meu livro?

    José Eraldo says março 11, 2012

    Amigo Davi,
    pode usar a fonte do tamanho e do estilo que quiser, pois caso a sua obra venha a ser publicada ela será editada. porém o recomendável é que use o tamanho 12 e uma fonte comum sem muita firula.

    é isso aí!

Filipe says março 10, 2012

Olá Bruno. Tenho 14 anos e quero, um dia, escrever vários livros. Já li livros como As Crônicas de Nárnia e Senhor dos Anéis, entre vários outros de outros gêneros. Amo fantasia e quero escrever um livro desse gênero. Estou meio confuso por onde começar: criar personagem ou criar o “mundo” onde ocorre a estória. Sei que tenho muito o que aprender ainda, mas acho que já seria bom eu ter uma noção por onde começar. Se você puder dar uma dica sobre isso eu agradeço. Quais livros e/ou autores você me recomenda? E o que você recomenda para alguém da minha idade já ir começando escrever? Obrigado pela atenção.

    brunogrunig says março 10, 2012

    Olá Filipe. Ao criar uma história, principalmente do tipo que você menciona, você precisa pelo menos mencionar o local. Se for necessário, deve criar o mesmo. Porém creio que isto pode ser feito juntamente com a história em si. No desenrolar, você vai dando os detalhes. Mas nada impede que você faça um rascunho com estes detalhes à parte. Sinto muito, mas não sou a pessoa indicada para indicar livros. Um grande abraço.

    José Eraldo says março 11, 2012

    Amigo Filipe,

    muito interessante você com essa idade ter este animo para escrever.
    eu entendo que você está em fase de aprendizado, se concentre em aprender. continue lendo muito, isso te dara cancha para escrever futuramente. apesar de ser normal para a sua idade ler este tipo de literatura, procure ler tambem outros gêneros paralelamente tenho certeza que vai te ajudar muito. Quanto as dicas, ir a uma livraria é o momento de maior prazer para um leitor, vá sem pressa, sempre haverá um livro a sua espera, se o livro for ruim, você saberá como não deve fazer.
    Quanto a escrever, crie estórias curtas, esqueça um pouco a idéia de “livro” quem sabe uma delas não pode sim virar um bom livro!

    era isso!

malonys says março 9, 2012

Olá Bruno

são fantásticas as suas dicas, tenho muita vontade de escrever um livro. tenho ideia de uma historia ao qual sonhei desenvolver a muito. falta me confiança para começar achando que ainda não estou preparado, porque pensando no desenrolar da historia sempre me aparecem ideias novas que acho melhor que as que ja tinha projetado. queria que me ajudasse a ultrapassar esta situação se é que é normal. porque nunca escrevi e é so um sonho que quero realizar.o que devo fazer para começar?
um abraço e muito obrigado pelas dicas.

    brunogrunig says março 10, 2012

    Olá Malonys. Creio que quando você deixar de pensar que esta será sua grande e única obra, conseguirá desenvolver o trabalho. Você está por demais preocupado com o resultado, antes mesmo de ter algo nas mãos. Um grande abraço.

tania santos says março 9, 2012

eu gostava de escrever um livro mas no entanto faltame as palavras mesmo quando comeco a escrever algo acho sempre que as palavras nao sao as mais certas nao trasmitem qualquer entrese quando as lemos e perco logo o entrese de continuar.porveses surgeme palavras,frases enterecantes na cabeca mas mal vou pegar numa folha de papel e numa caneta tudo desaparese muito rapidadente tao rapido como surgio. nao sei que faser a melhor maneira de comesar de pencar e de agir e depois a sempre a quele pobrelema de falta de consideracao que me leva a cometer o erro de dar muitos erros. gostava de escrever algo que quando se le e como se entrase na hestoria e porveses acho que e empocivel de o faser

    brunogrunig says março 10, 2012

    Olá Tania. Talvez você devesse procurar um curso específico para desenvolver esta parte, a criatividade e capacidade de expressar em palavras as suas idéias. Um abraço.

Mateus Leão says março 7, 2012

Bruno,você pode me indicar algum programa especifico pra digitar livros?

Mateus Leão says março 6, 2012

Bruno você me ajudou muito estou bastante interessado no assunto,já vou começar a escrever.Valeu!

    brunogrunig says março 6, 2012

    Olá Mateus. Valeu, mãos à obra. Espero que conclua o projeto. Abraço.

José Eraldo says março 5, 2012

Bruno?? adonde tu si meteu home??

    brunogrunig says março 5, 2012

    Tô aqui, rapaz… abraço.

José Eraldo says março 1, 2012

Ele se aproxima vagarosamente da velha casa, suas lembranças das histórias contadas sobre ela fazem tremer os joelhos. o frio na barriga aumenta conforme ele vai chegando próximo dos degraus de madeira úmidos e aprodrecidos pelo tempo.
ele sobe cuidadosamente no alpendre olhando atentamente para o chão para não enfiar o pé em nenhum buraco. Ao chegar na porta que estava entreaberta ele a empurra com a mão espalmada, mas com muito cuidado para que o rangido não chama-se a atenção de ninguem.
Quando criança se imaginou por diversas vezes entrando na velha casa, mas nunca teve coragem, sofria com as chacotas dos seus amigos que viviam bisbilhotando e roubando as amoras do jardim. E agora, depois de muito tempo ele estava ali, em pé no meio da sala sentido aquele ar sombrio que emanava das paredes humidas e escuras.
era difícil até respirar com aquele cheiro de mofo que contaminava o ar. não conseguiu mudar dois passos até que sentiu um vulto passar por suas costas causando um calafrio que começou na nuca e precorreu toda a sua espinha. não conseguiu se controlar e soltando um berro saiu correndo porta a fora saltando da varanda por sobre os degraus e caindo do outro lado no meioda lama que rodeava a casa.
estava com tanto medo, tremia tanto que não conseguia colocar a chave na porta do carro para abri-lo.
Ele voltou a sentir o mesmo calafrio que percorreu seu corpo dentro da casa,e quando olhou para o vidro do carro enchergou atraves dele um espectro,de aparência grotesca em pé atras dele, não teve coragem de olhar para trás, não teve forças para correr, caiu desacordado ao lado do carro, batendo violentamente a cabeça em uma pedra.

Fiz de um modo um pouco improvisado pois não sei bem a história do nosso amigo Reinaldo.

diz aí como ficou Bruno??

    brunogrunig says março 5, 2012

    Olá José. É necessário um pouco mais de trabalho no texto. É possível entender, mas alguns termos deveriam ser evitados (acredito eu), como “enfiar o pé em nenhum buraco”. Poderia ser dito de outra maneira. Leia mais e preste atenção em como escrevem os autores consagrados e entenderá o que quero dizer. A seu favor há o seguinte: é possível compreender a cena. Um abraço.

      José Eraldo says março 6, 2012

      Sim, sim dá para trabalhar mais sim, eu estava apenas treinando a improvisação na estória do nosso amigo, e escrevi rapidamente.
      realmente entendo que poderia encontrar outra forma de descrever a cena do pé no buraco, com certeza. porém, não consigo entender que afrase seja tão absurda.

      abraço!!

Kleane Souza says fevereiro 29, 2012

Que blog incrível esse seu!
Eu adorei as dicas. Penso muito em escrever uma história que martela em minha mente há algum tempo, mas ainda tenho muito receio.
De qualquer forma, tenho tempo! Não passo de uma jovem de dezoito anos com a mente fértil demais.
Amo ler e principalmente escrever; Acabei de descobrir seu blog e creio que ele terá uma nova visitante assídua.
Um grande beijo e mais uma vez, parabéns. 😉

    brunogrunig says março 5, 2012

    Olá Kleane. Valeram a visita e as palavras. Tenha paciência, seja persistente e chegará lá. Um grande abraço.

    José Eraldo says março 6, 2012

    olá Kleane,

    você tem muitos pontos positivos a seu favor. Gostar de ler e isso é primordial!! é mais de meio caminho andado. o fato da sua idade é outro ponto muito positivo, você tem muito tempo para desenvolver o seu trabalho, basta arregassar as mangas e começar.
    as dicas que contém aqui no site do nosso professor Bruno são fantásticas e tenho certeza que vai te ajudar muito assim como tem me ajudado. procure colocar uma destas suas idéias no papel, seguindo as orientações do Site, esqueça a meta de escrever um livro, por enquanto procure construir pequenos contos, procure descrever seus sentimentos num diário por exemplo(se é que já não o faz)tente descrever aa reações, os sentimentos percebidos por você nas pessoas que te cercam, pois lembre-se! os seus personagens terão que parecer reais para o seu leitor, e para escrever sobre pessoas, precisa-se conhecer pessoas.

    era isso menina!!
    abraço!!

      Kleane Souza says março 15, 2012

      Isso mesmo. Vou fazer tudo o que você me disse, com exceção do diário, pois já o faço. Minha maior dificuldade é com o foco narrativo. A história que tenho em mente é praticamente construída por memórias do personagem principal, então acho melhor narrar em 1º pessoa. O problema é que apesar de parecer mais complexa, eu tenho muito mais facilidade para narrar uma história em 3º pessoa, mais precisamente usando narrador onisciente.
      Ando lendo muitos livros do gênero e com narração em 1º pessoa na esperança de adquirir algum aprimoramento, espero que eu consiga melhorar neste ponto.

      Vou fazer o que você me aconselhou. Vou começar com pequenos contos e observar ainda mais as pessoas ao meu redor. Como você disse, preciso conhecê-las.
      Muito obrigada pelas dicas e pelo apoio 🙂

jose eraldo moraes says fevereiro 27, 2012

Bruno,

estive pensando, poderia criar no blog um espaço chamado “dica de leitura” ou algo similar, onde o pessoal postasse os livros que vem lendo, e assim indicando aos outros pois a demanda é muito grande e muitos livros bons passam desapercebidos pelos nosso olhos.
assim a pessoa poderia descrever um pouco do livro, o que gostou, porque o livro merece ser lido, de repente criando até um debate sobre alguma obra.
e tambem, poderia postar sobre livro ruins porque não, afinal eles existem abessa.

diz aí o que acha da idéia meu caro amigo?

abraço!

    brunogrunig says fevereiro 27, 2012

    É boa idéia. Vou criar o espaço sim. Abraço.

jose eraldo moraes says fevereiro 27, 2012

A propósito Bruno,

quero parabenizar mais uma vez o blog, principalmente pela sua fidelidade e dedicação com os seus visitantes.
não há um comentário sem uma resposta sua PARABENS!!

grande abraço!

    brunogrunig says fevereiro 27, 2012

    Valeu aí José. Eu procuro sempre dar um empurrãozinho aqui e ali. Às vezes é o quanto basta para tirar algo importante da gaveta. Um abraço.

jose eraldo moraes says fevereiro 27, 2012

Amigo Reinaldo Castro,

se me permitir a minha opinião também sobre o seu trabalho, com o aval do nosso profesor Bruno,
é o seguinte, como já mencionou o Bruno, há muito erros de português que demostra que você não lê muito, pois a leitura quase sempre aperfeiçoa a escrita, em todos os sentidos.
é óbvio que se trata de um pequeno texto, mas precisa se livrar de clichês mais do que batidos das histórias de suspense e terror. “derrubar a chave do carro no chão, enquanto tenta abrir a porta” é cena escrita no início dos anos 80 nos filmes do sexta-fira 13. Outra coisa, no momento em que você cita a aparição do ser do outro mundo era para deixar o leitor arrepiado correto? Mas você não vai conseguir isso colocando o termo “Fantasma” a não ser que o seu objetivo seja livros infantis, o que não deve ser o caso já que esparramou o cérebro do infeliz no término da cena.
a dica sem nenhuma dúvida é muita leitura, tente ler os livros do Stephem King, ele é o mestre neste tipo de ficção, ou procure outros do gênero e observe como eles impregam o suspense atraves das páginas.

era isso! continue praticando, ter a iniciativa e publicar aqui para a analise de todos já é um começo, mas precisa estudar.

abraço!
e um tambem ao nosso professor Bruno.

    brunogrunig says fevereiro 27, 2012

    Valeu, José. Legal da sua parte dar uma força também. Afinal de contas, eu sou um só, e como sempre digo, não sou o dono da verdade. Eu apenas procuro passar o que aprendi. Um grande abraço.

Reinaldo Castro says fevereiro 24, 2012

Dê sua opinião veja se eu escrevo bem seja sincero e aponte os defeito e qualidades se ti ver agradeço deis de já.

Um homem se aproxima de uma casa abandonada em empurra aporta que esta velha e suja bem poeirada, a porta se abre regendo ele caminha para uma sala velha e empoeirada com cheiro de mofo de armário, de repente ele ver uma sombra passada como vulto em direcção as escadas
o susto é grande ele corre rapidamente abra a porta da casa velha e sai em disparada pela estrada de barro em direcção ao seu carro desesperado ele saca a chave do carro tentando abrir a porta mais sua chave cai ele se agacha para pegar quando se ergue ver um fantasma no vidro de seu carro era o fantasma de seu amigo que avia morrida a uma semana ao ver ele se desespera cai no chão batendo a cabeça contra uma pedra e desmaia em seguida seu carro dar a partida sozinho e o atropela esmagando sua cabeça com as rodas dianteira espalhando seu celebro no chão o carro segue em frente e cai em um penhasco a direita do caminha de barro da casa velha.

    brunogrunig says fevereiro 24, 2012

    Olá Reinaldo. Há muitos erros de português, o que não é grande problema, pois em caso de publicação seria feita uma revisão. No mais, a cena é descrita de um só fôlego, carecendo de pontos e vírgulas. A história pode até ser boa, mas deveria ser melhor desenvolvida. Um grande abraço.

Gleice Soares Pinto says fevereiro 23, 2012

Ola, eu quero fazer um pergunta.
Eu estou escrevendo um livro sobre quatro bruxinhas, só eu tenho muitas ideias, mais eu não sei como começar. Você pode me dar um conselho ou uma ideia.
Você pode me responder pelo o meu email gleice.bb.zinha@hotmail.com.

Um Abroço.

    brunogrunig says fevereiro 24, 2012

    Olá Gleice. Comece fazendo um resumo da história. Depois é que você vai desenvolver o livro em si. Um abraço.

Nilton says fevereiro 22, 2012

boa noite, valeu pelas dicas, dúvidas ao escrever uma fixção policial, eu preciso colocar detalhes das leis reais ou pode se da ficção. outra coisa ao falhar de um estado, cidade ou país tbm vou precisar de detalhes verdadeiros. Eu tenho certeza que minha história é ótima tenho alguma dica pra saber se é realmente um boa história. Mais uma é caro lançar um livro.obrigado.

    brunogrunig says fevereiro 24, 2012

    Olá Nilton. Como o livro é de ficção, você pode criar o que desejar, é claro. Mas fazendo parecer que é real. Lançar um livro por conta própria é caro, mas lembre-se que o rendimento é muito maior. Um abraço.

Márcia Sales says fevereiro 22, 2012

Olá. Sou policial militar aposentada desde maio de 2011 e resolvi escrever uma autobiografia enfocando minha carreira de policial. Iniciei abordando fatos de minha infância; motivos que me levaram a entrar na polícia; desenvolvimento da carreira culminando com minha reforma. Minhas dúvidas são com relação ao envolvimento de outras pessoas na história. Será que eu poderia trocar o nome de alguns personagens pois não gostaria de citar seus verdadeiros nomes.

    brunogrunig says fevereiro 24, 2012

    Olá Márcia. Usar nomes fictícios é realmente o mais adequado. Citar nomes e acontecimentos reais pode dar problema. Um grande abraço.

Victor says fevereiro 18, 2012

oi,eu acabei de baixar o programa estou aprendendo a usar para começar a escrever,uma duvida: comecei a escrever,puis o titulo do primeiro capitulo,onde esta escrito descrição é a historia do capitulo ??

    brunogrunig says fevereiro 20, 2012

    Olá Victor. É isso mesmo. Mas não tem muita importancia, é só se você quiser colocar. Um abraço.

matheus lukas says fevereiro 17, 2012

pq vc não responde minhas perguntas cara?? tô produzindo um livro e preciso de sua ajuda ! me ajuda ae mano ! fico mtu agradecido! abraçossss

    brunogrunig says fevereiro 18, 2012

    Olá Matheus. Mande-as perguntas aqui mesmo. Não tenho nenhum comentário sem resposta. Aproveite enquanto é tempo… abraço.

Maria fernanda says fevereiro 14, 2012

eu e minhas amigas estamos tentando fazer um filme mas não vai dar certo então pensei que poderia ser um livro como faso para uma editora postar

    brunogrunig says fevereiro 14, 2012

    Olá Maria. Você precisa entrar em contato com as editoras e seguir as regras para envio de originais, que geralmente precisam ser registrados, por exemplo. Ou publicar por conta própria. Há editoras que fazem isto também, sendo que você é quem arca com os custos. Um abraço.

Maria says fevereiro 13, 2012

Bom trabalho! adorei suas dicas! de vez em quando vou voltar!

    brunogrunig says fevereiro 14, 2012

    Valeu Maria. Grande abraço.

Adriano says fevereiro 12, 2012

Valeu pelas dicas… tenho esse projeto faz tempo e agora tomei coragem de expor minha (não a “minha”) história por intermédio de um livro… Mas ainda tenho dúvida quanto a publicação, edição, correção, registro, etc… essas coisas pós escrita. Pode nos dar uma luz nesse sentido?

Obrigado!!!

    brunogrunig says fevereiro 14, 2012

    Olá Adriano. Há dicas no blog sobre publicação. Você pode publicar por conta própria ou tentar a sorte numa editora. Quanto à revisão, geralmente a editora faz. Registrar, consulte a Fundação biblioteca nacional. Um grande abraço.

Gilmar says fevereiro 11, 2012

Ótimas dicas!
Adorei o site e já adicionei aos meus “favoritos”.
Muito obrigado.
Abs,

    brunogrunig says fevereiro 11, 2012

    Valeu, Gilmar. Um abraço.

matheus says fevereiro 9, 2012

como crio uma historia em uma cidade que eu não conheço??

Ricardo Gefune says fevereiro 7, 2012

Incrível adorei as dicas !

    brunogrunig says fevereiro 7, 2012

    Valeu, Ricardo. Obrigado pela visita. Um abraço.

leni says fevereiro 4, 2012

bruno você se importa em dar sua opnião sobre um trecho de um ,talvez, futuro livro meu?
e quantos capitulos mais ou menos deve ter um livro?

leni.

    brunogrunig says fevereiro 5, 2012

    Olá Leni. Sem problema. Não há número exato de capítulos, você é quem decide. Abraço.

matheus says fevereiro 3, 2012

comecei uma historia ,mas não sei como fazer porque minha historia acontecia em SP,mas eu não conheço SP,como eu faço??????? Fica coerente inventar uma cidade ou mundo ficticio?????????
Minha historia era a seguinte: Existiam humanosdiferentes conhecidos como caçadores de demonios,onde JOHN era o protagonista da trama, seus pais(tambem caçadores) foram assassinados por LUCIAN o rei das trevas e sua irmã LUCY foi sequestrada por ele.
Lucian estava atrás de um medalhão que dava poderes incondicionais a quem o possuisse e os caçadores além de caçar demonios eram encarregados de protejer o medalhão! o que achou desse resumo do 1 capitulo???????? envie dicas se puder! abraçosss!!!!!!

    jose eraldo moraes says fevereiro 27, 2012

    Olá Matheus,

    o interessante seria poder ler alguns trechos para avaliar a sua escrita e o estilo que está empregando, mas em relação a história, não está te lembrando algumas tantas outras? medalhões, aneis…mas a história não é de todo ruim, apenas precisa de alguns ajustes, como por exemplo o plano físico destes demônios, o que o Rei das trevas estaria fazendo em São Paulo?? ainda se fosse no Rio de Janeiro… e o nome do protagonista também é fora do contexto brasileiro, ou ele estaria refugiado no Brasil?
    acredito que a sua estória seria interessante se ambientada em uma época medieval ou idade média, onde a fantasia tem um pouco mais de campo, não que você não possa ambientar nos dias atuais, pode também mas teria que ser bem trabalhada para não parecer fictícia demais.
    mas não deixe morrer a idéia ela é boa só precisa ser trabalhada.
    quando ao local onde vai se passar a sua história, pode criar um local ou ambientar onde você quiser porém, precisa estudar bem as características geográficas, contexto social, político e histórico da época e lugar desejado.

    era isso!

    leia o que puder do gênero e aos poucos vá montando a sua estória, ok!

    abraço!!

matheus says fevereiro 1, 2012

Valeu pelas dicas ,comecei a escrever um livro de ficção,mas algumas coisas,não saem para o papel,não sei como transmiti-las para o leitor de foma clara me ajude por favor!

    brunogrunig says fevereiro 2, 2012

    Olá Matheus. Leia muito. E observe, ao ler, como os autores fazem isso. E vá escrevendo. Um abraço.

Josue says fevereiro 1, 2012

ok. professor, muito obrigado por sua tao importante opiniao e exemplo. um abraço.

carolina de lins wanderley says fevereiro 1, 2012

obrigado por todas as suas dicas …mas…vc sabe qual é o assunto que os jovens entre 11 e 12 ano prefere????

    brunogrunig says fevereiro 2, 2012

    Valeu, Carolina. Seriam muitos assuntos, claro. Mas não consigo especificar um. Tente ler os títulos de livros infantis em livrarias onine e terá uma boa idéia. Um abraço.

Josue says janeiro 30, 2012

melhorando a minha pergunta: ao escrever um livro de ficçao e posso misturar a ficçao com a realidade? exempro, posso escrever que na ficçao que foi deixado uma bomba no centro do rio de janeiro proximo ao teatro e a bomba explodiu derrubando os 3 predios no rio de janeiro e morreram tantas pessoas? Isso fereria os familiares das vitimas? Me de sua opiniao por favor.

    brunogrunig says janeiro 30, 2012

    Olá Josué. É meio complicado isso. Se você mencionar os nomes e endereços dos prédios, o fato de contar uma versão diferente da realidade pode gerar problemas. Se não mencionar quais são os prédios nem seus endereços, não haveria como alguém relacionar uma coisa com a outra, mesmo que a história seja parecida. Ou seja, você pode usar a realidade como inspiração, mas não retratar uma segunda realidade. Esta é minha opinião, nenhuma regra ou lei a respeito, que eu saiba. Um abraço.

Josue says janeiro 30, 2012

Professor, ao escrever um livro de ficçao e por exemplo usar que foi deixado uma bomba no centro do rio de janeiro proximo ao teatro e a bomba explodiu derrubando os 3 predios no rio de janeiro, isso fereria os familiares da vitima ou posso usar o fato veridico que foi a queda dos predios com a minha ficçao dizendo que foi uma bomba? me de sua opiniao por favor.

Rafael says janeiro 29, 2012

Prof* por favor você teria um livro bom mais ou menos relacionado que possa me recomendar para eu poder ler ?
Muito obrigado mais uma vez.

Monique Mendonça says janeiro 29, 2012

Esse site com certeza é o melhor que eu encontrei, pq tirou todas as minhas duvidas.
Eu estou com dificuldade, pq tenho muitas ideias para escrever um livro, mas nunca escrevi,eu escrevia poemas, mas parei, e recentimente sinto vontade de escrever um romance, e essas dicas vão me ajudar muito.
Eu quero escrever um romance sobre uma garota que sonha com o primeiro amor, quero escrever o que ela espera e o que realmente acontece.
Eu realmente espero que eu consiga.

Obrigada pelas dias, são valiozas!

    brunogrunig says janeiro 30, 2012

    Olá Monique. Vá com calma e determinação que você chega lá, com certeza. Um abraço.

Rafael says janeiro 28, 2012

Olá Prof*
Como você esta ?
Bom eu estou aqui 1* mente para agradecer á sua força que você esta dano esses tempo todo para todas as pessoas que querem cria seus livros.Acho super legal você ajudar agente obrigado mesmo.
Em fim Professor eu tenho uma duvida, eu quero cria um livro para mim próprio sem interesses em publicar nada disso, minha duvida é estou criando um livro relacionado com a era medieval mais alguns personagens meus tem poderes outros usam armas tipo espada etc…
Gostaria de saber como eu faço para dar esse personagem que usa espada e o outro que usa poder efeito um movimento que a pessoa que esteja lendo intenda ?? Tipo vamos imaginar uma luta de guerreiros.Ele ataca o outro ele se esquiva exemplo não sei direito porque nunca escreve um livro por favor me ajuda da uma dica ai obrigado.
Feliz 2012 para você e sua família

    brunogrunig says janeiro 29, 2012

    Olá Rafael. Creio que você precisa ler mais. Leia livros do gênero e assim aprenderá como fazer o que está perguntando. Um grande abraço.

Juliano Branco says janeiro 28, 2012

Bom dia, professor!
Primeiramente quero agradecer pelos esclarecimentos, e também pelas perguntas dos demais participantes do blog, Bem a minha duvida é a seguinte eu posso escrever um livro contando uma historia na terceira pessoa sem ter nenhum dialogo?

    brunogrunig says janeiro 28, 2012

    Olá Juliano. Professor? Rererere… não sou não. Sou apenas alguém que compartilha o pouco que sabe. Quanto à sua pergunta, creio que não há problema escrever assim. Contanto que os diálogos não sejam mesmo necessários. Mas se você for escrever coisas do tipo “… e então ele disse que deveriam ir a São Paulo, e ela respondeu que não poderiam ir naquele momento…”, é melhor pensar em colocar os diálogos, porque esta substituição é meio capenga. Um grande abraço.

Julio Caesar Ramos says janeiro 26, 2012

Caro Bruno,
A idéia já estava na cabeça e um pouco no Word.
Agora ficou fácil. Excelente e oportuna sua disposição
em ajudar. O mundo só fica melhor. Forte abraço

    brunogrunig says janeiro 26, 2012

    Olá Julio. Fico feliz em ter ajudado pelo menos um pouco. Grande abraço.

Katharina says janeiro 22, 2012

Oi,assim,eu estou escrevendo um livro,e queria um bom lugar para a história acontecer…
Eu pensei em Nova Jersey,mas eu não sei quase nada sobre lá,a não ser o que pesquisei na internet…
Assim,eu devo conhecer o local?
Ou não?
Eu invento um lugar?
Dicas?

    brunogrunig says janeiro 24, 2012

    Olá Katharina. Se você está em dúvida entre inventar um local ou utilizar um local verdadeiro, quer me parecer que o local não tem tanta importância. É claro que se usar um local verdadeiro deve tomar cuidado com o que vai dizer. Você não precisa ir para lá, memso porque lhe custaria muito tempo conhecer de verdade a cidade. Basta não entrar muito em detalhes. Um abraço.

      Jomidua says janeiro 25, 2012

      Olá novamente!
      É só para informar que deixei um feedback depois de me ter respondido mas deixei-o mais acima na página aquando da sua resposta datada a 10 de Janeiro de 2012. Caso não dê conta da mensagem fica aqui o aviso. Para não alongar muito a mensagem fazendo “copy and paste” da minha mensagem anterior, pedia caso não se importe, que subisse na página até ao dia 10 deste mês e lesse a minha resposta/pedido ao seu comentário.
      cumprimentos,
      Jomidua

Clarice says janeiro 20, 2012

Muito bom o blog, muito obrigada pelas dicas. Iluminou o meu caminho!

Natalia Azevedo says janeiro 19, 2012

obrigada pela dica, mais uma duvida, quando agente conta algo engracado, como se deve colocar os risos?

josé s.v. barbosa says janeiro 18, 2012

Olá professor!,acredito está te fazendo uma pergunta cujo a resposta eu já saiba.
um homem de quarenta e cinco anos de idade que se encontra afastado dos livros à uns vinte e cinco anos, pode achar que tem conteúdo ou cabeça para escrever livros?
confesso vontade é oque não me falta,e as informações ou ideias ficam gritando em minha cabeça,devo esperar mais um pouco me instruindo, ou me capacitando, ou vou direto ao assunto

    brunogrunig says janeiro 18, 2012

    Olá José. Tenho uma boa resposta para você. Idade não quer dizer nada. Eu tenho cinquenta e quatro e aprendo algo todos os dias. Sempre é hora de recomeçar a ler, ou qualquer outra coisa. Creio que deveria procurar ao máximo informar-se e ao mesmo tempo ir tentando desenvolver o que deseja. Um abraço.

Josue says janeiro 17, 2012

Adorei conhecer esse seu blog, baixeu o programa yWriter5 mas nao estou sabendo usar, se possivel me de uma dica, como coloco o titulo do livro nesse programa e como começar escrever o livro usando ele.
Josue

    brunogrunig says janeiro 18, 2012

    Olá Josué. Veja na tab “languages”. Você pode mudar a linguagem do programa, para entender melhor. Para começar um livro há o “wizard”, que guia você nos passos a serem seguidos. Um abraço.

Natalia Azevedo says janeiro 16, 2012

ola, bom dia! estou escrevendo um livro que na verdade é a minha historia depois que conheci uma amiga ha mais ou menos 5 anos atras. conto tudo que agente ja passou juntas, mais fico na duvida a respeito da ortografia, a respito de risos e repetir o nome nosso varias vezes, poderia me ajudar?

obrigada!

    brunogrunig says janeiro 18, 2012

    Olá Natalia. A repetição dos nomes pode – e deve – ser feita com cuidado, é claro. Mas é necessária. Quanto à ortografia, não se preocupe. Em caso de publicação, será necessária uma revisão, que resolverá isso. Um abraço.

Natália says janeiro 15, 2012

Olá Bruno, eu sou três anos mais velha que a Ana ali de cima, mas também já comecei a escrever o meu livro. Eu já havia escrito muitas histórias, comecei com 10 anos, mas algumas histórias eu perdi o que foi uma pena. A minha mãe me ajuda muito com isso e ela fala que eu tenho muita criatividade, mas eu queria mesmo é ter a opinião de alguém que entende mesmo do assunto. Eu me inspiro em vários autores e a minha história, que estou escrevendo, conta a história de um cara que vira um serial killer. É um pouco macabro para a minha idade. Eu comecei a escrever lá na aula de redação, que a minha professora pediu um texto e eu pensei nesse e acabei gostando tanto que decidi prolongar a história. Então para saber o que preciso e o que não preciso por na história achei o seu artigo que afinal me ajudou bastante. Se você souber de alguém que possa me ajudar a revisar a história e me ajudar a por as ideias em ordem eu agradeço.
Muito obrigado, Natália.

    brunogrunig says janeiro 16, 2012

    Olá Natália. Se quiser enviar-me a história, posso dar minha opinião. Mas seria bom tentar enviar a um editor profissional, que se dispusesse a ler e opinar. Procure por editoras pequenas e talvez tenha sucesso. Um abraço.

Ana Clara says janeiro 14, 2012

Olá Bruno!
Tenho apenas 12 anos , adoro ler , e quero , (muito mesmo), escrever um livro , quer dizer , já comecei!
Confesso que no início fique meio confusa , pois ,a minha história começava e não “seguia” , entende?
Mas , agora , que eu acabei de ler o seu , (ótimo, fantástico),texto , entendi o segredinho pra fazer um livro.
Agora mesmo vou baixar o programa que você indicou,ok?
Muito, muito obrigada mesmo!
Beijão,
Ana.

    brunogrunig says janeiro 14, 2012

    Olá Ana. Você é muito jovem. Tem todo o tempo do mundo para aprender. Vá devagar e acredite em si mesma. Um grande abraço.

claudio Alexandre says janeiro 13, 2012

primeiramente keria agradecer pelas dicas. sou angolano e estou tentando escrever um livro de ficção mas tenho muito problema em descrever as emoções dos personagens, e tbm em descrever lugares. tem alguma dica pra mim? claudio alexandre

    brunogrunig says janeiro 14, 2012

    Olá Claudio. A dica só pode ser: leia mais livros e preste atenção em como os autores fazem isso. Um grande abraço.

Rita Gomes says janeiro 12, 2012

Obrigada pelas dicas, me ajudou muito em algumas dúvidas que eu tinha.valeu!!

    brunogrunig says janeiro 12, 2012

    Olá Rita. Valeu a visita e comentário. Um abraço.

tito says janeiro 12, 2012

ola, sou de cabo verde (mindelo), adorei as dicas e o humor. Obrigado!

    brunogrunig says janeiro 12, 2012

    Olá Tito. Cabo Verde… legal. Deve ser bonito aí… Obrigado a você pela visita e comentário. Um grande abraço.

Stella Moreira says janeiro 11, 2012

Valeu.. eu so tenho 15 anos.. mais acho que consigo.. vc me ajudou muito
abraços

    brunogrunig says janeiro 11, 2012

    Olá Stella. Vá com calma, você tem tempo pela frente. Aprenda primeiro e faça depois. Um abraço.

Bruno Henriques says janeiro 11, 2012

Gostei das dicas, estou a tentar escrever o meu primeiro livro e o que li aqui será de grande ajuda concerteza. Obrigado e aquele abraço

    brunogrunig says janeiro 11, 2012

    Valeu Bruno. Espero que siga em frente. Um grande abraço.

Bárbarah says janeiro 11, 2012

Oi tudo bem? Bom essas dicas foram ótimas. Eu estou tentando escrever um livro que é meio uma autobiografia.Só tenho um problema sou péssima com essa coisa de pontuação, e sem pontuação correta o livro vai ficar estranho, será que você pode me dar algumas dicas ou me indicar algo que eu possa ler e aprender? Queria também sua opinião a respeito do livro. Se puder e quiser, é claro.
Obrigada.

    brunogrunig says janeiro 11, 2012

    Olá Bárbarah. Não se preocupe muito com pontuação. Procure fazer o máximo que puder para que sai o melhor possível. Em caso de publicação, o livro deverá passar por uma revisão completa de qualquer maneira. Quanto à minha opinião, se quiser pode enviar uma cópia para o email brunogrunig@gmail.com , em word ou pdf. Terei prazer em ler e opinar. Um abraço.

Eliana says janeiro 10, 2012

Olá tudo bem??
Perdi meu cachorrinho que era especail para todos em casa, gostaria de deixar algo dele para nós, pensei em escrever um livro, vc poderia me ajudar???

Obrigada

    brunogrunig says janeiro 10, 2012

    Olá Eliana. Ajudar a escrever o livro, sinto muito, mas é impossível. O tempo é muito escasso. Mas se você quiser escrever um resumo e mandar para meu email, terei prazer em ler e dar umas dicas. Um abraço.

Luciano Nunes says janeiro 10, 2012

Olá mais uma vez Bruno!mmais uma dúvida me ocorreu na minha obra.

Minha história se passa nos dias de hoje,no rio de Janeiro.Então,estou usando locais(bares,restaurantes,shoppings,lojas)reais e não de ficção,exatamente pra dar um ar mais verossímil a esta ficção.Posso fazer isto sem problemas ou eu teria que pedir algum tipo de permissão destes locais?E com relação a um programa de tv ou uma pessoa(um ator,cantor,etc)por exemplo,seria o mesmo caso?

Lembrando que estes não fariam parte da trama claro,seria apenas como uma citação de que personagem estaria assistindo ou ouvindo,ou,até mesmo no local em questão.

    brunogrunig says janeiro 10, 2012

    Quanto às pessoas, artistas, se forem só mencionados, tudo bem. De vez que você não vai escarafunchar suas vidas. Os locais também creio que não há problema, contanto que não haja na história nenhuma particularidade que não seja pública. De qualquer maneira, na hora de publicar é que tudo isso tem maior importância. E se por acaso for necessário trocar algum nome aqui e ali, não será grande problema. Um abraço.

Jomidua says janeiro 8, 2012

Boas!
Gostaria de saber algumas dicas acerca de como melhor escrever um livro não associado a um tempo ou espaço. Alterando nomes, locais, bens, acontecimentos… mas mantendo e transparecendo para o leitor o conteúdo verídico. É possível?
cumprimentos,
Jomidua 😉

    brunogrunig says janeiro 10, 2012

    Olá Jomidua. Creio que é possível sim. Eu já li livros nos quais não se sabe em que época se passou a história. O importante é a história em si. E os locais podem muito bem ser fictícios, mas dando a impressão de existirem. Não há problema algum. Um abraço.

      Jomidua says janeiro 25, 2012

      “brunogrunig says:
      January 10, 2012 at 4:23 pm
      Olá Jomidua. Creio que é possível sim. Eu já li livros nos quais não se sabe em que época se passou a história. O importante é a história em si. E os locais podem muito bem ser fictícios, mas dando a impressão de existirem. Não há problema algum. Um abraço.”

      Desde já agradeço a sua rápida resposta.
      Gostaria que me indicasse, se possível, algum livro que já tenha lido que se enquadre no género quando disse: “Eu já li livros nos quais não se sabe em que época se passou a história.”. Visto que assim poderei ler qualquer coisa para ter uma ideia de como proceder. Pode ser?
      Uma vez mais o meu obrigado 😉
      Cumprimentos,
      Jomidua

        brunogrunig says janeiro 25, 2012

        Olá Jomidua. Rapaz… agora você me pegou. Essa vou ficar devendo. A maioria dos bons livros que li, putz! Já tem um tempão. Mais de trinta anos… Mas tenho certeza de que você pode encontrar algo assim. E melhor ainda… em Ebook. A livraria Cultura é ótima para isso. Um grande abraço.

Guilherme Laureano says janeiro 8, 2012

Valeu cara, eu to escrevendo um livro digital, se quiser ler: huntersxserialkillers.blogspot.com 😉

Obrigado pelas dicas, foi útil 😀

    brunogrunig says janeiro 8, 2012

    Valeu, Guilherme. Vou dar uma espiada. Um abraço.

ana says janeiro 7, 2012

oi, adorei as dicas to pensando em escrever um livro para o publico adolescente! gosto muito de j k rowling ,stephany mayer e esses escritores que eu considero geniais.Não tenho ainda um tema ,mas ñ sera nada sobre vampiros e essas historias ja meio cliches……acho que a é necessário ser original……..obg vc me ajudou muito um abraço

    brunogrunig says janeiro 8, 2012

    Valeu, Ana. Espero que atinja seu objetivo. Um abraço.

Tsuki says janeiro 7, 2012

Oi, obrigada pelas dicas. Apesar de não ter lido uma grande variedade de livros, leio muitas Fanfics (ok, tem muitas mal escritas, mas tem também muitas que são ótimas). Eu mesma já escrevi algumas, que fizeram sucesso (não no Brasil, só no site onde foram postadas), mas já é um começo. Na verdade comecei desenhando mangá, tenho muita imaginação, mas não tenho talento o suficiente para desenhar uma história inteira. Agora, com 17 anos comecei a escrever um livro de verdade. Está sendo bem difícil, pois estou escrevendo em primeira pessoa. Não sabia se era o certo, mas dei para alguém ler e foi aprovado. Por enquanto só tem 30 páginas, mas está caminhando para mais. Eu sei que é uma pergunta não muito boa, mas acho que você não se importaria de responder. Qual o número de páginas que um livro deve ter em média? Eu sei que poderia ir procurar no Google agora mesmo, mas quero ouvir a sua opinião. Abraços, e obrigada de novo.

    brunogrunig says janeiro 8, 2012

    Olá Tsuki. Sua pergunta – na minha opinião – não tem uma só resposta. É normal preocupar-se com o tamanho. Não querer escrever pouco nem muito. Mas eu conheço livros com poucas páginas muito bons e livros enormes que são uma porcaria. E vice-versa. Preocupe-se em escrever bem seu livro, em prender a atenção do leitor, fazê-lo querer saber o final. Se acabar com cem páginas ou trezentas, não importa. O que importa é a qualidade. Um abraço.

Mateus Machado says janeiro 7, 2012

Cara, muito obrigado pelas dicas, to a meses patinando no inicio de um livro, e agora facilitou muito, tu tens msn ? se tiver e puder me passar agradeço, ABRAÇOS!

Mateus Machado

    brunogrunig says janeiro 7, 2012

    Olá Mateus. Valeu a visita e comentário. Sinto, mas meu tempo é totalmente tomado, não há como atender pessoalmente, espero que entenda. Um grande abraço.

Paulinha says janeiro 6, 2012

Nossa Bruno, valeu mesmo! Adorei o presente! Aposto que vai me ajudar muito nessa minha jornada!

Abraços, Paulinha

Isabella says janeiro 6, 2012

Olá! Depois de muito procurar uma ajuda, encontrei seu blog e adorei suas dicas, de verdade! Faz muito tempo que eu quero escrever algo legal, que prenda a atenção de quem lê. Sempre faço alguns textinhos pequenos, como contos ou algo do tipo, só pra treinar minha escrita e testar minha criativade. Só que agora resolvi escrever um livro de verdade, com uma boa história. Já tive algumas ideias e tenho a história pronta na minha cabeça. Graças a uma dica sua fundamental,começei o livro. Escrevi um parágrafo resumindo a história. Depois escrevi outro sobre as personagens. E outro dando mais detalhes. Ok, até aí tudo bem. Só que agora, não consigo entrar na história de fato e escrever o primeiro capítulo, entende? Tenho outra dúvida quanto a narração: não sei se entro com uma narração em 1ªpessoa (que acho mais envolvente) ou uma narração em 3ªpessoa (que acredito ter mais vertentes, dá pra expandir mais etc.) Por favor me dê uma luz, hahaha!
Desde já obrigada e parabéns. Abraço.

    brunogrunig says janeiro 7, 2012

    Olá Isabella. É difícil dizer como começar a história. Talvez você precise ampliar seu resumo e aí saberá. Você pode narrar usando as duas pessoas alternadamente, se quiser e se isto for necessário. Um abraço.

Paulinha says janeiro 6, 2012

Olá, Bruno. Meu nome é Paula e eu achei muito interessante esse seu artigo. Nesse último ano eu superei as minhas estatísticas e li ao todo 29 livros. Todo ano, eu leio muito. E acho que já estou “preparada” para escrever o meu próprio. Desde que eu tinha 3 anos, eu gostava de escrever histórinhas e livrinhos bobos que tinham no máximo 5 páginas; mas hoje, com os meus 12 anos completos eu acho que já posso partir para algo mais sério. Um livro? Perfeito. Será mesmo? Então por que eu já comecei a escrever 6 livros e a página 10 é o meu recorde? Eu queria muito, mas muito mesmo escrever, publicar um livro! Mas como fazer isso? Qualquer ajuda é bem vinda.

Abraços, Paulinha

    brunogrunig says janeiro 6, 2012

    Olá Paulinha. Deixe-me fazer uma brincadeira: você sabe que é uma criança ainda, não é? A brincadeira tem uma razão. E quero que leve a sério, apesar de ser uma brincadeira. Eu já dei uma olhada no seu blog. Você está mandando bem. Exceto por uma coisa. Quando algum comentarista publicar palavrões, simplesmente mande para o lixo. Não publique. No resto, você está fazendo um trabalho legal. Quanto a escrever um livro, você mesma já deu a resposta. Começou 6 e não terminou nenhum. E isso é bom, sabe porque? Esta situação está lhe mostrando algo. Você está com muita pressa. Vá mais devagar. A melhor maneira de não fazer nada é querer fazer tudo ao mesmo tempo. E tempo é o que não lhe falta. Você tem só doze anos! Mais uma coisa… Você é blogueira, isto já é fato. E quer ser escritora. Então pare de escrever miguxês. Nem blogueiro nem escritor usa aquelas abreviações: “vc, pq, tb, etc.”. Escreva a palavra: “porque, você, também”. Agora olhe no seu email. Mandei um presente para você, pela sua intrepidez e ousadia, com tão pouca idade. Um grande abraço.

Noadia says janeiro 6, 2012

Essa foi a melhor dica que já vi ….. e é bem o que quero escrever ficção, amo imaginar coisas que não existem e também quero u poco de ação na minha estória…..vou perguntar uma coisa…..como você ficaria nessa situação….. sua mãe quer que você estude muito matemática e você quer se aprofundar no português….. o que você faria?
*****Obrigado por suas dicas e por favor responda se puder*****

    brunogrunig says janeiro 6, 2012

    Olá Noadia. Sua pergunta ficou um tanto no ar… Mas se você está na escola, deve obter notas razoáveis em todas as matérias. Porém, se você fala do que fazer no futuro, como profissão, creio que deve convencer sua mãe de fazer o que você mais gosta. É melhor ser uma boa escritora do que uma péssima matemática… abraço.

Michael says janeiro 6, 2012

Bem bruno, eram 7 livros e não capítulos.
Desculpe por não explicar direito, estava muito apressado e quando fui ver tinha escrito isso (até eu achei meio confuso quando reli o post).
O problema era:
Tinha feito o resumo de toda história (ou seja dos 7 livros, sendo que cada livro continha seu próprio resumo)estava indo começar a escrever quando reli o resumo final do 1° livro e vi que não tinha lógica (tinha uns buracos enormes na historia e um monte de perguntas sem respostas). Dai então resolvi pedi sua ajuda.
Passei a noite inteira tentando resolver o problema até que consegui resolvê-lo: Eu coloquei observações no resumo do 1°livro e reli o resumo de todos os outros resolvendo assim o problema dos buracos. No final fiz um resumo unico da história completa e começei a escrever na manhã seguinte.
Mesmo tendo encontrado a resposta sozinho obrigado pela a sua atenção.

    brunogrunig says janeiro 6, 2012

    Valeu, Michael. Espero que conclua seu projeto. Um abraço.

Gizele says janeiro 5, 2012

Olá, eu estou tendo varias ideias, para escrever um livro, mais estava muito perdida, esse blog me ajudou muito. Realmente, muito obrigada. Pois eu estava começando errado, eu estava iniciando direto a escrever a historia “tendo só umas ideias na cabeça”, mais dai eu percebi o quão importante é o resumo, pois como você disse antes, o livro não deve ser uma surpresa para o autor , mas sim para o leitor. Estou terminando o resumo, logo acabo, e já começarei a escrever meu livro, tomara quê dê tudo certo .
Você me ajudou bastante obrigada.

OOlá , adooreiii oo blooog, mee ajuudoou muuiito , eu peeercebi que estava começando a escrever o livro, sem saber o que ia acontecer depois, eentãoo oo resuumoo REALMENTE está me ajudando muito, então muito obbrigada !
Parabéns.

    brunogrunig says janeiro 6, 2012

    Valeu, Gizele. Espero que tenha sucesso no projeto.