Ainda não é o fim - ebook de Bruno Grünig

Artigos Comentários

Como escrever » Como escrever » Como escrever

Como escrever

como escreverSe você aí do outro lado está se perguntando “como escrever”, eu aqui deste lado imagino – sem medo de errar – que saiba escrever.

É claro, todos aprendemos lá no curso primário (antigamente, hoje é primeiro grau) a escrever. Primeiro as letras. Depois aprendemos a juntar letras para formar palavras. Por fim, colocamos as palavras juntas, formando sentenças.

Por isso, quero crer que o “como escrever” que você busca, é – em primeiro lugar – como passar suas idéias e pensamentos para o papel. Ou para a tela do computador.

Em segundo lugar, como fazer isto com sentido e de maneira elegante e correta. Transmitindo com clareza aquilo que deseja. Fazendo com que o texto seja compreendido por aquele que lê.

Afinal, como escrever?

Veja se você consegue imaginar um bom cantor que nunca tenha escutado música. Isto não seria possível. Ninguém consegue cantar se não escutar música. Assim como nós não aprenderíamos a falar se não escutássemos as vozes de outros.

Da mesma maneira, se você quer aprender a escrever sem ler, esqueça. Você não vai aprender e ponto final. No máximo vai conseguir fazer meia dúzia de textinhos mixurucas.

Quem não lê, não aprende a escrever. Por isso, se está realmente empenhado em escrever, leia. De preferência obras de bons escritores. Aconselho também bons escritores estrangeiros, porque na tradução vem um pouco do estilo do escritor.

Procure não se prender a um escritor só. Nem tampouco a um gênero. Mas não tente ler escritores ou gêneros que você não gosta. Você acaba irritado e abandona a leitura. Resumindo: leia aquilo que você gosta, contanto que seja material de boa qualidade.

Quando digo boa qualidade, não quero dizer “clássicos” ou coisa assim. Há bons escritores que escrevem livros de bolso.

Outra boa pedida é ler jornais, revistas e histórias em quadrinhos. Jornalistas precisam seguir regras ao escrever e você acaba assimilando regras ortográficas e gramaticais sem querer. Histórias em quadrinhos dão uma boa força devido ao audio-visual. A cena vai “contando” a história em sua cabeça.

Cuidado com gente metida a escritor. Nem todos sabem escrever. Não vou citar nomes aqui, mas utilize seu bom-senso. Se você reparar algo que lhe pareça com um erro grosseiro, provavelmente é mesmo um erro grosseiro. Escolha bem o que vai ler.

Uma dica me ocorre agora. Antes de sair lendo qualquer coisa, compre algum livro de um escritor consagrado. E leia, é claro. Além de jornais (bons jornais, nem é preciso dizer…). Assim você tem um termo de comparação para futuras obras. Ao deparar-se com lixo, vai saber que é… lixo.

Acredite, há toneladas de lixo por aí travestidas de texto. Na maioria das vezes nem sequer o conteúdo é digno de ser lido.

Começando a escrever

Não vá você também esperar ler quatro mil e oitocentos livros de seiscentas páginas para começar a escrever. Comece assim que sentir vontade. Vá treinando.

Escreva, para começar, pequenos textos. Como este artigo, por exemplo. Escolha um tema e tente desenvolvê-lo. conte uma história. Corrija o texto. Modifique. Escolha temas bem simples. Coisas com as quais você tem familiaridade. Seu trabalho, por exemplo. Ou seu hobby.

Lendo e escrevendo. É assim que se começa. É perfeitamente possível aprender como escrever. Depende muito de você. É claro que uns e outros têm talento, dom ou coisa assim. E talvez você mesmo tenha. Mas todos podem aprender. Mas é preciso paciência e determinação. Nada se aprende da noite para o dia.

Filed under: Como escrever · Tags: ,

ATENÇÃO: Não use o campo de comentários para enviar seus textos para leitura. Há uma página específica para isto. Clique aqui: Submeter texto.

Textos inseridos no campo de comentário serão deletados. NÃO INSISTA!

Está curioso? Aqui estão alguns motivos:
  • A área de comentários é exatamente o que o nome diz. Serve para comentar o artigo acima dela. Se você derrama um texto ali simplesmente, está me dizendo: "Amigão, tou defecando e caminhando pro seu artigo. Dá um bico no que eu escrevi...".
  • Os textos enviados muitas vezes são muito longos. Outros trazem conteúdo não condizente com o blog.

85 comentários para "Como escrever"

  1. Olá Bruno, tudo bem?
    Eu nunca tive uma grande influência para leitura, mas no início desse ano comecei a ler a obra de um filme de ficção que gostava. Depois de ler toda a saga me apaixonei por leituras desse gênero e agora estou sempre lendo.
    Depois que comecei a ler passei a inventar várias histórias na minha cabeça, até mesmo com situações que acontecem com amigas. Algumas dessas hístórias eu acho realmente boas e tenho vontade de passá-las para o computador. A minha idéia é ir juntando cada imaginaçãozinha de alguns momentos e para formar uma grande hitória. Mas a minha maior dificuldade é escrever tais imaginações. Na minha cabeça eu imagino elas escritas de formas fantásticas mas na hora eu travo total e se sai alguma coisa fica meio boba, eu não consigo fazer sentido e isso acaba me decepcionando.
    Pode me ajudar sobre isso?
    Beijos e parabéns pelo site. É genial!

    1. brunogrunig says:

      Olá Bárbara. Procure ler mais. Talvez outros generos também. É lendo que se aprende. E treinando. Faça resumos de livros que você leu. Não há fórmula mágica para isso. É ler e treinar. Vá escrevendo também histórias pequenas. E corrija a forma como escreveu. Se saiu ruim, procure analisar porque. Procure saber como um outro autor descreveria a mesma cena, etc. Um abraço.

  2. Lucas Drumond says:

    Olá Bruno!
    Tenho uma dúvida sobre um gênero que venho pensando em escrever, mas não sei muito bem se funcionaria. Escrevo muitos textos voltados no gênero de fantasia, e tenho pensado em trazer reinos e criaturas místicas (unicórnios é o exemplo mais ridículo que me passou pela cabeça, haha) para a geografia da América do Sul antes da Colonização.

    Estou tentando misturar fantasia com realidade, de forma que essa amalgama funcione de um modo que não dê pra provar o que pode e o que não pode ter acontecido. Claro, nunca houve um Império Romano na América do Sul, mas a ideia é excitar a imaginação no sentido do que havia aqui antes dos portugueses/espanhóis. Essa ideia é me dar muito trabalho quanto ao estudo de história e geografia da região, mas parece bem elaborado?

    Tenho outros textos, que não são sobre este assunto, mas que se pudesse, eu gostaria muito que opinasse sobre a escrita, já que parece entender bastante sobre. Só não sei por onde enviá-lo.

    Grande abraço!

    1. brunogrunig says:

      Olá Lucas. É difícil opinar sobre algo assim. Acredito que numa história assim, não há dúvida de que o leitor vai automaticamente assumir como ficção, ou seja, saber que aquilo não existe. Por isso é ficção. Em ficção tudo pode. Basta que você envolva o leitor na história. Se você reparar bem, muda época, muda cenário, mudam personagens… mas a história é a história. O que quero dizer é que seria perda de tempo tentar fazer o leitor acreditar que aquilo existiu. Basta ter uma boa história. Um abraço.

  3. Obrigado.
    Um grande abraço :)

  4. Gleyne Moraes says:

    Olá,adorei seu blog e desde já gostaria de agradecer pela ajuda.
    Eu já li alguns bons livros e outros não tão bons,escrevo diário periodicamente desde os 11 anos(agora tenho 20,sou completamente apaixonada pela literatura grega e portuguesa,terminei o ensino médio e penso fazer curso superior de jornalismo,mas não sei se por não ter formação acadêmica seja ousado ou loucura demais escrever um livro.Passei por coisas bem marcantes na minha vida e me sinto capaz para desenvolver um bom livro,mas não sei se seria coerente arriscar tanto já que não tenho estudo aprofundado sobre como fazer isso.Você me aconselharia a estudar mais sobre o assunto e depois desenvolver,ou acredita que pessoas que não tem formação acadêmica possa desenvolver um bom trabalho?
    Obrigado.Aguado sua resposta.
    Gleyne Moraes

    1. brunogrunig says:

      Olá Gleyne. Não creio que seja preciso ter alguma formação para escrever um livro. Se você tem vontade, porque não começar já e ir praticando. E não tenha medo, porque geralmente o primeiro livro não “aquele~, entende? Mas por outro lado, não deixe de fazer sua faculdade. Pelo menos você terá uma profissão, caso não se saia tão bem como escritora. Um grande abraço.

  5. Márcia Regina says:

    Olá… Descobri hoje eu site porque estou buscando técnicas para escrever algo sobre um sonho muito diferente que tive hoje, muito incomum. Foi mais ou menos como se eu estivesse vendo um filme de época contando a história de uma mulher que viveu na 2ª guerra mundial, mas era um sonho. Só sei dizer que no final da história dessa mulher eu via um enorme livro se fechar, e neste continha o título e o subtítulo. Muito interessante mesmo! Vou seguir suas dicas para escrever.

    1. brunogrunig says:

      Olá Márcia. Pois é… a inspiração acha jeitos diferentes para dar as caras. Vá em frente, escreva, já que recebeu a história “de bandeja”. Um grande abraço.

  6. Natália Costa says:

    Oi, gostei muito do que você escreveu to começando a escrever um livro, sempre gostei muito de escrever e de ler, mas não sei como colocar certas palavras ou como expressar certas imaginações eu tenho a história em minha cabeça, mas as vezes não consigo ligar um fato ao outro e quando consigo não acho que esteja bom parece que esta uma coisa chata, o que me aconselha a fazer?

    1. brunogrunig says:

      Olá Natália. Ler e treinar. Escreva coisas menores primeiro. Contos, por exemplo. Mesmo que sejam apenas seis páginas. Mas que você consiga chegar ao fim. Um abraço.

  7. vanessa says:

    Olá tenho vontade de começar a escrever um livro sobre minha profissão, e gostaria de contar histórias reais do meu dia a dia…posso simplesmnete mudar o mone dos personagens, preciso pedir autorização de cada um para ecrever a história mesmo tendo nomes fictícios?.como proceder?..valeu.

    Ótimas dica!

    1. brunogrunig says:

      Olá Vanessa. Se for mencionar particularidades indiscretas, a troca dos nomes não vai ser de grande ajuda. Relatar fatos verídicos sem a autorização das pessoas é complicado. Um abraço.

  8. joão lucas says:

    hehehehe!!!!!!acho q falei de mais desculpa queria le parabenizar porque estou escrevendo um livro de 58 folhas e deeeeeee vampiro entao resolvi pedir ajuda na net e o primeiro site q vei na cabeça foi esse site q adois anos atras quando nao queria saber de escrita e leitura fale…..masq bostaeu quero e ´´crepusculo´´…….flwu seu site ejoia vei to tentando fazer um desses a 2 meses onde vc criou?

    1. brunogrunig says:

      Olá João. Joguei teu outro comentário no lixo. Você pode criar um site com blogger ou wordpress (este é wordpress). Visite este site: http://blosque.com que fala tudo sobre blogs. Abraço.

  9. Marçal Augusto de Morais says:

    Olá, estou lendo todos seus posts, e de fato estou gostando muito deles. Tenho que confessar que meu mundo das ideias me parecem bem atrativos, mas quando jogo pro papel, as ideias saem confusas. Gostaria de um Help pessoas. Nada demais, uma ajuda aqui outra ali… seria possível? Gostaria que você analisasse alguns dos meus textos, e se possível me desse uma super ajuda! Para que eu possa escrever claro, eu tenho que pensar muito, e se eu penso muito, fudeu! Dou adeus ao meu mundo das ideias que desaparecem. Se eu faço algo e tento mudar, piorou, mudo o sentido todo de tudo, perde até a emoção da escrita. O que eu faço? Adoraria sua ajuda, e se possível, manter sempre o contato pelo msn… Obrigado pela atenção, abraços. Espero sua resposta e estou convicto de que você pode me ajudar.
    Aguardo sua resposta!

    1. brunogrunig says:

      Olá Marçal. Se quiser, pode mandar um texto, no email brunogrunig@gmail.com e terei prazer em ler e dar minha opinião. Qaundo as coisas ficam confusas geralmente é por falta de planejamento. E se a história muda de sentido é porque você não tinha uma história, apenas uma idéia. Leia muito e preste atenção em como os autores fazem suas histórias. Um abraço.

  10. Ola amei suas dicas de como escrever um livro,suas sugestões para quem está começando são ótimas,bom minha dúvida é que eu já
    tenho um personagem criado há 2 anos, minha dificuldade é que o personagem se tornou maior que a própria história,já é uma celebridade antes mesmo de ser escrita?O que acontece é que eu uso o nome de minha personagem em orkut,facebook,msn….enfim eu criei uma personagem ficticía on line e gostaria de desenvolver essa história já que me tornei conhecida como minha própria criação! Gostaria de saber sua opnião sobre isso? Desde já obrigada beijos!

    1. brunogrunig says:

      Olá Rosana. Difícil dizer… Se muita gente conhece você pelo nome da personagem, tudo o que a mesma fizer no livro será atribuido a você, mas você não é você, é a personagem. Então, dá tudo na mesma, rerere. Se ninguém sabe que você é a personagem, é claro. Acho que compensa tentar pra ver que bicho dá. Um abraço.

  11. Thaynah says:

    Ola achei suas dicas muito instrutivas
    Eu que ro escrever um livro.
    jah tenho a historia toda em minha cabeça, todos os personagens,o titulo… tudo
    mais ñ consigo passar da primeira linha
    simplesmente ñ sei como começar
    ñ sei se começo contando a historia do personagem ou o q se passava no local, nem sei se faço em primeira pessoa o em terceira
    soh sei q quero escrever uma aventura de uma garota q aos dez anos ve sua mãe morrer pelas mãos de seu pai (logicamente ela foge) e depois ela ganha poderes de sua mãe e responsabilidades
    a historia se passa por um cenario medieval
    pelo amor de deus me ajude
    ñ sei mais o q fazer

    1. brunogrunig says:

      Olá Thaynah. Você mesma deu a resposta. É preciso decidir o que fazer. Se você sabe a história toda, faça o resumo, seja lá como for, em que pessoa for. Tome decisões. Comece com um resumo simples de um ou dois parágrafos. Não tenha medo do papel. Creio que seu receio é não obter um bom resultado. Esqueça isso. Tudo pode ser corrigido ou refeito. Um abraço.

  12. Walquiria says:

    Olá!
    Em primeira lugar, quero lhe parabenizar pelo artigo, que aliás, é um dos poucos que realmente me ajudou a ter algumas idéias criativas para finalmente construir aquele esboço com começo, meio e fim.
    Já faz muito tempo que eu quero escrever um livro, mas não sou como a maioria das pessoas, que imagina toda a história e depois não sabe como escrevê-la. Eu costumo escrever sempre, não histórias ou contos, mas cartas sem destinatário ou poemas – apesar de que não gosto de chamar meus textos assim, até porque não conheço e nem me interesso por saber as diferenças entre os vários tipos de poemas.
    Mas enfim. Eu começo a escrever, com todo o detalhamento, aquela cena inicial do livro, ou então um episódio que poderia ser encaixado no meio, mas não tenho uma visão plena do que a história pode se tornar.
    Lendo os seus posts e seguindo os links, acabei por perceber que não há referência de escritores que simplesmente sentam na cadeira e começam a escrever, sem saber onde vai dar. Você acha que esse tipo de processo criativo é possível? Porque eu acho que do jeito que a minha cabeça trabalha seria muito difícil criar um storyboard e depois com o desenrolar da trama ficar voltando atrás. Já tentei, criei personagens e fiz um storyboard e segui o esquema do floquinho de neve, mas acabei percebendo que a premissa da história estava se perdendo e que eu precisava começar tudo do zero porque a ideia original cresceu tanto que nada do que eu havia feito se encaixava.
    Também não quero escrever um livro sobre o mundo… Queria conseguir focar numa trama só, sem ficar expandindo cada vez mais!
    Pensei em usar um grande quadro branco e ir adicionando meus momentos de “epifania” nele, para ver no que dá… O que você acha?
    Abraço!

    1. brunogrunig says:

      Olá Walquiria. Pode ser que um ou outro escritor faça como você está dizendo. Mas creio até ser possível identificar em seus livros o processo. Creio que acaba como aqueles filmes em que você está esperando o desfecho e este nunca vem. Se nem mesmo o escritor sabe como acaba a história, fica complicado. Por isso sou adepto do método do resumo. E uma vez que você tem a história toda, não quer dizer que você precise ficar voltando atrás na hora de escrever o livro. E também não quer dizer que se vá escrever um livro sobre o mundo. Acontece que pessoas se relacionam com outras pessoas e às vezes é preciso contar alguma história paralela para enriquecer o livro. Mas – claro – nada disso é regra. Você pode escrever seu livro como quiser. Quem sabe não consegue um bom resultado? Um grande abraço.

      1. Walquiria says:

        Obrigada!

        Eu tenho mais uma perguntinha… :)
        O que você acha dos pseudônimos, e das pessoas que escolhem usá-los?
        Digo, você acaba se escondendo atrás do medo, tanto do sucesso quanto do fracasso. E mesmo que um dia você queira admitir que foi você, ninguém vai acreditar! Então, qual é a graça?
        Essa é a minha opinião, mas e a sua?
        Abraço!

        1. brunogrunig says:

          Olá Walquiria. Existem muitas razões para se adotar um pseudônimo. Muitas vezes a pessoa não quer a popularidade, não quer seu perfil estampado por aí. Esta é uma. As outras… sei lá. Talvez o assunto da publicação coloque a pessoa em risco, vai saber. É uma coisa muito pessoal. Creio que é válido. Porque na verdade o que importa é a obra. O autor, na maioria das vezes… passa batido. A menos que passe a fazer um grande sucesso. Para quem se importa muito com sucesso, pseudônimo é fora de questão, claro. Um abraço.

  13. Paulinha says:

    Olá Bruno, aqui é a Paula de novo. A do outro artigo de como escrever um livro. Bom, eu escrevo um blog já tem dois anos e eu gostaria de saber se já é o suficiente para escrever um livro.

    Abraços, Paulinha

  14. Zephyrian says:

    Olá meu caro, minha idade revela q n tenho tanta maturidade para escrever, mas tneho varias ideias na minha mente, já li mais ou menos uns 12 livros e simplesmente as ideas surgem, os momentos, os finais, e até mesmo os personagens e como são particularmente, mas tenho algumas duvidas, em todos os livros as fontes são realmente parecidas, ams n consigo identificalas nem em que tamanho estão, gostaria de saber em qual fonte posso escrever o meu livro, do qual o unico problema é q ainda n tem titulo, mas então, letra dos titulos e capitulos eu ja tneho ( Harrington- tamanho 20)mas e a da fonte? queria uma normal, n muito padronizada e pouco enjoativa, poderia me ajudar nisso meu caro amigo?

    1. Zephyrian says:

      Afinal foi o q me trouxe ao site, embora tenha adquirido muitos conhecimentos, come xeção do q eu procurava, q ironico, n? bem poderia me ajudar?

    2. brunogrunig says:

      Olá Zephyrian. Talvez não seja o que você quer “ouvir”, mas acho que você está preocupado com a coisa errada. O tipo de fonte a ser usada em um livro é uma das últimas coisas a serem decididas. Você precisa concentrar-se em escrever um bom livro, ter uma boa história. A fonte só será decidida quando (e se…) o livro for publicado. Não se preocupe com isso agora. Um abraço.

  15. Juliana Paiva says:

    Olá,
    Estou escrendo um livro pela primeira vez, já estou trabalhando nesse projeto ha mais de 2 anos, gostaria de algumas dicas ou alguem que se enteresse em me ajudar a escrever.
    È sobre uma menina que perdeu sua mãe com 9 anos de idade, e logo descobriu que tinha uma grave doença.
    Tenho varias ideias sobre, mas preciso de uma segunda opnião.
    Se você ou algum colega aqui se enteressar pelo meu trabalho e queira me ajudar a dar continuidade ao projeto, pode me procurar.
    Um abraço…

    1. brunogrunig says:

      Olá Juliana. Obter muitas opiniões por aqui vai ser difícil. Sugiro que você procure pessoas que se interessem pelo tema. Por exemplo: que perderam a a mãe muito cedo, ou que tiveram o mesmo tipo de doença. Enfim, pessoas que se identifiquem com a sua história. Um grande abraço.

  16. Dom Pacheco says:

    pO Vlw! Era isso q eu tinha em mente, mas não tinha pensado em entrevistas coletivas, é uma ótima idéia. Vou pegar meu celularzim e meter a mão na massa rsrs. Ó…este site é sensacional! Quando eu termiar meu livro faço questão de mandar uma cópia pra vc (se lhe interessar é claro) pra vc fazer tipo uma crítica ou algo parecido pode ser?

  17. Dom Pacheco says:

    Olá Bruno, como qq um aki tenho o sonho ou meta de escrever um livro, já sei o tema e até o nome do livro, é sobre meu pai, ele é um grande cara e merece uma homenagem nesta vida rsrs. Penso em entrevistar pessoas com quem ele conviveu e convive pra me interar de dados.

    Entrei no google e parei por aki mesmo. É um ótimo espaço pra quem tem esta vontade de escrever… Vlw ae Bruno! Abraço! E se der, me dê umas dicas pra me ajudar nesta grande aventura!

    1. brunogrunig says:

      Olá Dom. A dica é: arregace as mangas e mãos à obra. Pelo que você falou, vai dar trabalho (entrevistas, etc.). Então, quanto antes começar, melhor. Procure juntar os amigos de seu pai em histórias comuns entre eles, ou épocas vividas juntos, assim fica mais interessante. Outra boa idéia creio que seria fazer um livro de crônicas, com várias histórias diferentes. Um grande abraço.

  18. Luciano Nunes says:

    Obrigado pela pronta resposta Bruno!
    E aproveitando pra pedir mais um esclarecimento se possível.

    Minha história se passa nos dias de hoje,no rio de Janeiro.Então,estou usando locais(bares,restaurantes,shoppings,lojas)reais e não de ficção,exatamente pra dar um ar mais verossímil a esta ficção.Posso fazer isto sem problemas ou eu teria que pedir algum tipo de permissão destes locais?E com relação a um programa de tv ou uma pessoa(um ator,cantor,etc)por exemplo,seria o mesmo caso?
    Lembrando que estes não fariam parte da trama claro,seria apenas como uma citação de que personagem estaria assistindo ou ouvindo,ou,até mesmo no local em questão.

  19. Luciano Nunes says:

    Estou escrevendo pela primeira vez uma obra de ficção,e estou com algumas dúvidas em termos de capítulos e quantidade de páginas.
    existe alguma regra pra isso ou é apenas bom senso?

    O que define o fechamento de um capítulo e o início de outro?
    tenho que ficar preocupado com a quantidade de páginas que esta história terá?Existe uma quantidade de páginas pré-definida pra se apresentar o trabalho a uma editora ou coisa parecida?

    Desde já, obrigado pela ajuda!
    Luciano Nunes

    1. brunogrunig says:

      Olá Luciano. Não há regras para quantidade de páginas ou de capítulos. Também não há regras para o final de um capítulo e o início de outro. Uma editora provavelmente não vai opinar quanto à quantidade de páginas, mas sim quanto ao conteúdo. Se uma editora aceitar sua história, fará uma edição e revisão da mesma. Por isso, não se preocupe muito com estas coisas. Preocupe-se em escrever bem a história. Um abraço.

  20. Mariana Pereira says:

    Bruno, me desculpe , estes comentarios toodos , eu fiz o ultimo , porque nao tinha visto os outros quando entrei na pagina , eu pensei que tivesse havido falha .. Me desculpee.

  21. Mariana Pereira says:

    Olaa Brunoo , Olha estou com umas duvidas e queria muito que fosse vc a responder-me ! Eu estou tentando escrever um livro , sobre estes ultimos 5 anos que passei , foram muito maus , e em estes 14 anos que tenho estes foram os piores … Porque soofri muito , e há muitas raparigas da minha idade a passar pelo mesmo , ou ate um bocado , e eu queria transmitir a minha forca toda para elas que tive para lutar com o sofrimento …
    E o meu grande problema é que eu nao consigo encaixar uns assuntos com outros totalmente diferentes.. E tambem nao sei como é composto verdadeiramente um livro ..
    E apesar de muito gostar de ler.. Eu muitas vezes nao consigo obter ideias!

    E tambem tenho dificuldades em eleger um titulo e nao sei que tipo de liivro vou fazer, mas eu queria fazer do generoo diario , mas como vou contar lá o meu sofrimento?
    Publicar um livro feito por mim , é um sonho que tenho desde pequeninha , e gostava muito de o concretizar…
    Eu estou a tentar realizar este sonh porque minha mae, meus familiares e meus amigos , me pediram para fazer! Dizem que sou muito boa escrevendo textos e principalmente poemas , eu tenho um textinho que escrevi num dia em que choreei muito .. a pouca gente mostrei , mas toda a essa gente adorou.. Eu ando numa psicologa e ela amou , que ate lhe vieram as lagrimas aos olhos… Se quiser , eu mando-lhe!
    Eu quero muito concretizar este sonhoo …
    Me ajudee!
    Bruno , me ajuudee por favor!
    Agradecia muito. Um grande abraço.

    -mgp’

  22. Mariana Pereira says:

    E tal como Ray, tambem já fiz muitos textos , muitos poemas , e poemas meus sao muitas vezes comentados.. E acredita numa coisa? Eu so consigo escrever, ouvindo musicas calmas e suaves, e falando alto , num sitio sozinhaa .. Eu tive estes meus ultimos 5 anos sofrendo muito, e facilmente me sinto triste.. E eu queria transmitir a minha forca que tive ate agora para lutar este sofrimento todo para elas ..
    E o meu problema , é que eu me sinto muito confusa com capitulos, titulo.. E de como um livro é composto verdadeiramente.. Gostava que me pudesse ajudar . Obrigada. Um abraço.

  23. Mariana Pereira says:

    Olá , eu sou a Mariana , e sou uma jovem nova , de 14 anos , e estou tentando escrever um livro, pelo qual queria que la estivesse escrito , todo o meu sofrimento que passei , e que sei que muitas adolescentes da minha idade , estao passando parecido. Nao digo que elas estejam passando tudo o que eu passei e o que passo , apenas um bocadinho do que se esta passando comigo , e queria tentar passar a minha Força para elas.. Eu posso ser novinha , mas ja tenho uma mente de aldulta ..
    E eu estou aqui , para pedir ajuda , porque eu muito quero fazer este livro , meu problema , é que eu nao sei como é um livro constituido verdedeiramente. Desculpem meu vocabulario, sou portuguesa..
    Continuando , gostava que me pudesse ajudar, porque alem demais , muita gente me pediu para fazer um livro , porque ao que me dissem eu tenho muito geito…
    E eu agradecia muito se me puddesse ajudar…

    1. brunogrunig says:

      Olá Mariana. Talvez você possa enviar-me algo que escreveu, para que eu possa dar uma opinião. Um abraço.

  24. Ray says:

    Adoro escrever poemas,textos,histórias mas tenho uma certa dificuldade com acentuação e ortografia mesmo assim fui escolhida para ser editora do jornal da escola acabei como redatora,que pena que o ano tá acabando e vou ter que sair mas gostei muito do trabalho que fiz e queria continuar escrevendo estava pensando em escrever um livro mas não sei se estou pronta pra escrever no seu outro poste li que para começar a escrever um livro tem que já ter alguma experiencia com escrita tenho 14 anos já fiz algumas coisas por exemplo para o jornal da escola fiz dois texto e foram publicados e fiz outro em um curso de artes que virou peça teatral e algumas poesias para a uma exposição de jovens poetas que teve na minha escola sera que já deveria tentar escrever um livro

    1. brunogrunig says:

      Olá Ray. Catorze anos… eu acho que já tive esta idade, se não me engano. Que tal se você começar com um livro simples, de poucas páginas? Com uma história simples também. Você deve tentar sim. Não é dito que o primeiro tem que ser o que vai fazer sucesso. É apenas o primeiro. E você tem tempo para escrever muitos ainda. Leia bastante e comece a escrever. Um abraço.

  25. Ronaldo Matos says:

    Muito bom esse artigo. Esse ano comecei me apaixonar por literatura russa, li algumas obras de Dostoievski e Puskhkin, também tive maior contato com as obras de Eça de Queirós, José de Alencar, Machado de Assis. Sem dúvidas a leitura de grandes obras, abre caminho para novas idéias e o enriquecimento do vocabulário. Meu forte sempre foi exatas, mas depois da leitura virar um hábito,já pensei em passar pro papel algumas de minhas idéias sobre política,religião,comportamento e assim formar um personagem e inseri-lo em um conto.

    1. brunogrunig says:

      Olá Ronaldo. É isso mesmo. É lendo que você descobre se gosta ou não. E aprende a escrever também. Espero que leve adiante esta vontade de escrever. Um abraço.

  26. Hey Bruno!

    Li vários de seus artigos a procura de auxílio, e ao ver alguns comentários aqui, fiquei impressionada com o seu modo de responder atenciosamente à todas as pessoas, dando-lhes boas dicas e em momento algum desencorajando até mesmo os casos mais remotos (não sei bem se essa é a palavra mais adequada mas não consegui pensar em outra a tempo.)

    Enfim, parabéns pelo trabalho e por oferecer apoio aos aspirantes à escritores que aparecem por aqui à procura da sua ajuda.

    Talvez você tenha percebido que eu tenho um problema em ser direta as vezes. Rodopio em volta de um mesmo ponto milhares de vezes, antes de seguir para o ponto adiante. Juro que isso não é proposital. Não consigo evitar de maneira nenhuma, é mais forte do que eu. (Suspiros desconsolados…)

    Alguma dica para esse meu probleminha?

    Obrigada pelo apoio já prestado; Jéss.

    1. brunogrunig says:

      Olá Jéssica. É bem fácil ser agradável quando todos são agradáveis comigo. Este problema que você mencionou parece o que um crítico falou sobre mim uma vez. Disse que em certos trechos do meu texto eu parecia um “cachorro correndo atrás do rabo”. Não sei se é a mesma coisa em seu caso. No meu foi porque eu explicava exaustivamente alguma coisa e depois explicava mais um pouco. Creio que isso é algo instintivo. Isso se corrige – creio eu – com revisão crítica. Edição, é o nome da brincadeira. Em alguns casos, é necessário entregar o texto a outra pessoa para editar, pois nós mesmos somos falhos na hora de cortar excessos. E é possível também treinar, policiar a maneira de escrever. Espero haver tocado no ponto certo. Um grande abraço.

  27. Philipe says:

    Olá Bruno. Estou reunindo forças para escrever, mas ainda me falta certa flexibilidade para transmitir o que penso.De uns tempos pra cá sinto a necessidade de escrever algo maior, um grande relato, ou experiência. Quando terminar talvez possa chamá-lo de livro. Pretendo transmitir uma ideologia, visão e experiência vivida que na minha opinião vale a pena o conhecimento de muitas pessoas.Gostei muito do seu texto e gostaria de saber sua opinião sobre o gênero e se conhece alguma obra do tipo.
    Grato.

    1. brunogrunig says:

      Olá Philipe. Certamente há livros assim, é claro. Creio que seria bom direcionar sua obra para um segmento específico, que seria no caso a ideologia que você quer transmitir. Já li muitos livros que passam as experiências de seus autores. Algumas autobiografias são assim, por exemplo. No caso, o autor se foca mais no ensinamento do que em fatos corriqueiros de sua vida. Pode até mesmo encaixar-se na categoria auto ajuda, dependendo do tema. Boa sorte em sua empreitada. Um grande abraço.

  28. Carlos says:

    Professor, queria escrever algum livro sobre a vida, o que ela nós mostra a cada dia que passamos na face dessa terra, o que aprendemos desde criança, e vamos nos desenvolvendo , aprendendo a amar e também aprendendo a sofrer.Como o senhor acha que é a melhor maneira de começar a escrever ? Obrigado e abraço.

    1. brunogrunig says:

      Olá Carlos. Creio que você poderia fazer um livro em tópicos, sendo cada um deles as lições que aprendemos na vida. Assim você já teria um guia para iniciar seu livro. Um grande abraço.

  29. Sasha Rodriguez says:

    Muito obrigada. Talvez eu consiga. Parece ser muito difícil, mas não impocivel.

  30. Sasha Rodriguez says:

    Como deve saber, a grande maioria que visita o seu site, gosta muito de ler e escrever. Pois é, adoraria se me desse algumas dicas de como prender o leitor no momento em que ler a minha ficção. Quando leio sinto que meu corpo pede o final mas não me deixa ve-lo e é isso que quero que sintão ao ler o meu livro. Nada como uma boa história e atenção para quem voce não conhece e nem sabe se é capaz de existir.

    1. brunogrunig says:

      Olá Sasha. Você precisa entender como se escreve um livro de ficção. Há algumas dicas no blog e muito mais sobre isso em meu livro. Para prender a atenção do leitor é preciso seguir certas regras, e não é possível passar isso em simples dicas. Um grande abraço.

  31. João says:

    Muito obrigado pela ajuda.Um abraço

  32. João says:

    Bem,eu estou tentando fazer esse livro,a história já esta esquematizada na minha mente,esse é só uma parte.Gostaria que fizesse algum comentário sobre,se devo mudar o jeito de escrever,estou aberto a críticas.

    Casas e árvores passavam rapidamente pela janela do carro, enquanto passávamos pela Avenida.
    –Henry – disse meu pai – você devia estar animado, vai conhecer sua nova escola!-
    -Sim – disse eu, fingindo animação- estou super animado!
    Na verdade eu me sentia magoado e com raiva. Porque tínhamos de mudar de cidade, passei toda a minha vida em São Paulo, não gostava de pequenas cidades, prefiro uma metrópole com bastante gente a acalmaria de uma pacata cidade do sul.
    Além do mais, eu tinha amigos na minha antiga escola, tinha uma identidade, se é que você me entende. Aquelas pessoas esquisitas e com expressões vazias, pareciam estar, como posso dizer… Em transe. E isso, aquelas pessoas pareciam estar numa espécie de transe, me virei para comentar isso com minha irmã, mas decidi não falar nada. Minha irmã é muito madura e inteligente (embora eu não goste de admitir), mas ela acha que pode ser superior a qualquer um, se eu falasse que as pessoas pareciam estar em transe, ela provavelmente iria rir da minha cara e me chamar de maluco.
    -Val, Estamos chegando – disse a minha irmã.-Acorde!
    - Hum?-disse Val, ainda dormindo.
    -Tchau, -disse meu pai- venho buscar vocês às cinco horas, e se comportem.

    Lá estávamos nós olhando para a nossa nova escola. Ela tinha muros altos, cerca de 6 metros, com arame farpado em cima, pensei se o arame farpado era para evitar que ladrões entrassem ou se era para evitar que os alunos fugissem. Eu não gostei de nenhuma delas, por isso resolvi observar o resto da escola, era amarela, velha e quieta. Parecia até que não existia aluno algum lá dentro.
    -Você vai ficar parado ai ou vai entrar?-disse Val. –Vamos lá Henry, não pode ser tão ruim assim.
    Eu entrei. A sensação que tive lá dentro foi de pura angústia e aflição, cada passo que eu dava me sentia pior, os alunos me olhavam como se eu fosse um intruso,como se dissessem “Quem é esse cara que quer estragar a nossa escola?”

    1. brunogrunig says:

      Olá João. Isso está é muito bom. Pelo menos este trecho. Só uma pequena falha: onde você diz: “…tinha uma identidade, se é que você me entende…”. Este “se é que você me entende” não cabe no livro. O narrador não fala com o leitor. Não é um grande problema, mas eu não escreveria isso. O resto, me parece legal. Está bem colocado, bem explicado e os diálogos no lugar certo. Além disso, você sabe usar corretamente a pontuação. Ah, sim… tome cuidado com frases como a primeira: “Casas e árvores passavam…. enquanto passávamos…”. Seria melhor: “…enquanto íamos pela avenida.”. Um grande abraço.

  33. João A.S. says:

    Olá Bruno, á tempos que venho tentando me encorajar á escrever um livro, pois que não vejo muita saída haja visto as situações que vivenciei, e estudei.O tema é muito sério, não o posso divulgar aqui, porém seu conteúdo é impactante e possivelmente será de grande polêmica.
    Possuo as informações, porém preciso do método para ordena-las. O que eu mais tenho visto são artigos referentes á romances, ou ficção… e não creio que estes métodos sejam coerentes com o tema que proponho…podes sugerir-me algum método ou artigo que possa me ajudar?
    Obs. Por anos já fiz diversas palestras, porém não sei como ordenar isso em um papel…
    Grato pela sua ajuda.

    1. brunogrunig says:

      Olá João. Como você não revela o tema, fica difícil. Mas via de regra, use a simplicidade. Primeiro as primeiras coisas. Você quer impactar e causar polêmica. Acredito que uma boa idéia seja guiar o leitor em direção ao assunto principal (o impacto), com uma introdução que o coloque a par do assunto em geral. Depois provavelmente você deveria despertar o interesse do leitor com os aspectos mais conhecidos sobre o assunto. Daí em diante é que você vai colocar o seu impacto, causar a polêmica. Uma boa idéia é fazer uma espécie de “roteiro”, um resumo do livro, para te orientar na hora de escrever para valer. Se o assunto é dividido em tópicos, nomeie primeiro estes tópicos e coloque-os na ordem em que deverão aparecer no livro. Caso não consiga mesmo passar as idéias para o papel de maneira profissional, ou quase isso – digamos – talvez seja uma boa idéia contratar um redator que faça isso. Desta maneira, você escreve como quiser, e o redator passa para uma linguagem “de livro” por assim dizer. Um grande abraço.

  34. sandra santos says:

    OLA
    adorei sua pagina, olha, ja me casei, tive filhos, plantei uma arvore.
    agora quero escrever meu livro, minha historia.
    me ajude, uma historia surpreendente, mas preciso de ajuda para coloca-la no papel.
    não sei como começar,
    sou a personagem principal, acontecimentos reais com outros personagens tendo que tomar cuidados qdo espo-los, pois vou estar falando de mim e e de outras pessoas.
    por favor me ajude.
    obrigada.
    obrigada.

    1. brunogrunig says:

      Olá Sandra. Creio que você deveria começar pelo começo. Aprendendo como se escreve um livro. Clique em minha oferta do livro sobre este assunto. É um preço muito pequeno em relação ao projeto que você tem em mente. Um abraço.

  35. Zanna Santos says:

    Ler é viajar! E quem não deseja fazer uma boa viagem? Se faz realmente necessário gostar e se identificar com a leitura. Por exemplo, eu praticamente devorei todos esses artigos disponíveis aqui na sua pagina. Esse é um exemplo claro de que achei o que buscava e identifiquei-me com a sua forma de expressão. Parabéns pelo trabalho frutuoso.

    Zanna Santos

  36. Ally says:

    Eu sempre fui acostumada a escrever em primeira pessoa, mas queria tentar algo novo. O problema é que sempre que tento escrever em terceira fica uma confusão, minha criatividade simplesmente some e a escrita se torna terrível. Resumindo, não fica digno de ler, e eu realmente queria tentar escrever em terceira pessoa. Alguma dica?

    1. brunogrunig says:

      Olá Ally. Procure ler textos escritos desta maneira. Para aprender a escrever, é necessário ler. Há muitos livros escritos assim. Leia os textos normalmente, como um leitor comum faria. Depois volte e leia com mais atenção, procurando entender como o autor contruiu suas frases e parágrafos. Você pode até mesmo resumir a história de algum livro, escrevendo desta maneira. Pegue também, frases escritas na primeira pessoa e reescreva na terceira pessoa. É o que me ocorre no momento. Um abraço.

  37. Livia says:

    Olá,
    Gostei muito de suas dicas, principalmente uma que diz que não seria bom ler sobre temas que me desagradam, pois isso só iria me chatear e abafar meu interesse por escrever e ao mesmo tempo buscar variações sobre um mesmo tema pode ajudar bastante. Muito bom!
    De qualquer modo fico empacada sobre em que pessoa escrever. Pergunta, e se houverem vários narradores, fica muito confuso?
    Obrigada,

    1. brunogrunig says:

      Olá Livia (mesmo nome da minha irmã caçula…). Quanto à sua pergunta, primeiro é necessário saber o que você vai escrever. Num livro, por exemplo, um personagem que participa dos acontecimentos pode ser o narrador. Uma figura onisciente (que sabe de tudo) pode também. Usar vários personagens para narrar eu acredito que seja complicado, nunca tentei. Porque você precisa demonstrar claramente quem está narrando, sem quebrar o clima do texto. Você não pode começar avisando: “trecho narrado por…” ou coisa assim. Mas há meios para se fazer isso, é só usar a imaginação e a lógica. Um abraço.

      1. Livia says:

        Obrigada pela resposta… Vou tentar realmente a terceira pessoa…
        Su irmã deve ser super legal… :P

  38. Luiz says:

    (Sobre os comentários) Uma dica, é começar por um bom português.

    1. brunogrunig says:

      Olá Luiz. Concordo. Seria o mínimo necessário. Mas garanto a você que existem “escritores” por aí que não concordam nem comigo nem com você. E vendem livros. E o povo lê e não reclama. E digo mais… tem um que é muito famoso. Livros traduzidos em outras línguas e tudo mais. Português sofrível. O povo lê. E gosta. O nome? Não digo nem a pau! Grande abraço.

      1. Lecticia says:

        Concordo totalmente com o colega Luiz, não estou defendendo o famoso autor, pois não aprecio sua literatura. Ao produzir um texto é necessário, ao menos, verificar a ortografia. O corretor ortográfico é uma ferramenta facilmente encontrada e deve ser utilizado, auxilia quem deseja produzir qualquer tipo de texto a rever o que escreveu. Há casos em que é muito difícil de compreender o que foi escrito e o leitor simplesmente “desiste”, por mais interessante e atrativo que seja o assunto tratado.

        1. brunogrunig says:

          Valeu, Lecticia. Se chegar ao ponto que você mencionou, do leitor sequer compreender o que está escrito, já é caso de polícia. Aí já não é nem erro ortográfico. É que o “escritor” não consegue sequer passar seus pensamentos para a linguagem escrita.

      2. Carolina says:

        Falando em ortografia,”erro” com acento circulflexo no “e” é um baita erro…

        1. brunogrunig says:

          Olá Carolina. É mesmo, não é? Depois dessa, só me resta fechar o blog e nunca mais escrever nada. Brincadeira, valeu a correção. Um grande abraço.

      3. Brenda Melo says:

        É alguma fase da lua, isso eu sei.

  39. thaiane says:

    princesa da ilha um dia o pricepi foi dar uma vouta na ilha e encomtro uma princesa e achou tambem os animais da princesa e levou para o ceu reino e apresentou o para seus pais e ceus pais e e logo o ceu pai apresentou a sua nova princesa mulher e as duas nao ce dava mal e o princepe nao quis se casar com a princesa ANELISA E SE CASOU COM A PRINCESA DA ILHA E A PRINCESA DA ILHA CONHECEU SUA MAE E FORAO PARA UM REINO SO DELES E LEVARAON A MAE DA PRINCESa e viverao felizes pa ra senpre

    1. brunogrunig says:

      Legal Thaiane. Continue escrevendo, desenvolva sua história. Um grande abraço.

  40. Olá, preciso escrever um livro de qualquer tema, e tamanho. Sinto que tenho um pouco de facilidade em escrever mais o meu problema é o tema. Qual a história que eu escrevo. Queria pedir a sua ajuda por isso. Es pero que me responda. ;D

    1. brunogrunig says:

      Olá Katiane. É difícil dizer. Sugiro que escreva sobre algo que você saiba, que você conheça bem. Você deve frequentar a escola, ou já frequentou. Escreva sobre a escola, algo sobre os alunos. Ou sobre seu bairro, seu trabalho. Enfim, algo que possa ativar sua memória, que ative sua criatividade. Olhe só um estalo! Que tal a história de uma garota que queria muito escrever um livro e achou um site na internet que falava sobre isso. Ela então começou a escrever e… agora é sua vez. Um grande abraço.

  41. lany says:

    oi todos os meus amigos estou precisando de uma a juda de vc tenho que fazer um trabalho sobre relasionamentos entre duas pessoas ou seja amoroso mais ñ sei como começa em tão pesso a vc que mim a jud…

    1. brunogrunig says:

      Olá Iany. Observe as pessoas de seu relacionamento. O que elas dizem umas às outras. Olhe à sua volta. A inspiração está onde você menos espera. Uma frase aqui, outra ali. Escrever não é invenção. É observação. Observe e coloque no papel. Quer um início? “O inverno de 1995 havia sido tenebroso. Mas Fulano (este é um de seus personagens) sequer conseguia pensar em frio, calor, inverno ou verão. Só pensava em Fulana (esta é a sua outra personagem)…” viu? Só neste pequeno pedaço, já sabemos que o inverno terminou ou está terminando e também que Fulano só pensa na fulana. Um grande abraço.

      1. Eduardo says:

        Com todo respeito, mas iniciar com o tempo, do modo como você iniciou: “O inverno de 1995…” é muito clichê. A não ser que seja grande observador e possa detalhar com minucias sobre o tal “inverno de 1995″, recomendo abandonar esta abordagem.

        1. brunogrunig says:

          Olá Eduardo. Falou… vou abandonar agora mesmo. Na próxima começo assim “O verão de 2001…”. Valeu a dica. Abraço.

          1. Brenda Melo says:

            Outono é melhor.

          2. brunogrunig says:

            Rerere… valeu, Brenda. E porque não primavera? O negócio é fazer o gosto do cliente. Abraço.